A escapada de Scarpa

Antero Greco

04 Janeiro 2018 | 22h27

Foi-se o tempo em que jogador era escravo de clube, ao qual permanecia ligado independentemente da própria vontade. Só saía se fosse conveniente para o empregador. Agora, como todo trabalhador, tem o direito de emprestar seus serviços onde achar interessante – desde que o mercado lhe seja generoso.

Que bom. Assim não há mais necessidade de permanecer num local que não lhe agrade. A pior coisa é ficar com colaborador descontente.

Isto posto, vamos ao motivo desta crônica: Gustavo Scarpa pisa na bola com o Fluminense. O moço anda descontente com a situação nas Laranjeiras e antes da virada de ano deu a entender que gostaria de troca de ares. Até se animou com acenos de Palmeiras, Corinthians e outros grandes.

Está correto em abrir-se para propostas, não vem ao caso nenhuma restrição. Só não pega bem a estratégia de não reapresentar-se, após as férias, nem dar satisfação para técnico ou dirigentes. Ignorou o cronograma, mantém-se incomunicável, não fala com ninguém. Nem o “staff” (pois é, jogador hoje tem vários assessores) se manifesta. Silêncio e fim de papo.


Por que isso? Para mostrar que se aborreceu com críticas de torcedores? Demonstração de inconformismo com salários e outros direitos atrasados? Compreensível a decepção, outro aspecto que não merece repreensão. Mas, daí a fechar-se vira alternativa antipática.

Scarpa agiria bem, e sem trair o desejo de ir embora, se aparecesse para treinar e deixasse bem claro que o faria apenas por obediência ao protocolo. Passaria por testes, faria exames, seguiria o programa da Comissão Técnica sem abrir mão de negociar eventual saída. E, ainda por cima, tornaria público o descontentamento; bastava dar entrevista e explicar o caso.

Isso não impediria sequer que recorresse à Justiça, para reclamar ruptura de vínculo, se é de fato o que deseja. Se o Fluminense não gostasse, que então optasse pelo afastamento. Tudo dentro dos conformes.

Mas cada um é livre para escolher que caminho seguir.