A noite de glória de David Luiz e Thiago Silva

Antero Greco

11 Março 2015 | 20h08

Pode ser que um dia inventem esporte mais gostoso do que futebol. Por enquanto, não. É imprevisível, mágico, envolvente, tem ajuda da tecnologia e sofisticação. Mas, o mais importante: ainda depende do toque humano para ser emocionante. Gente é que sai de campo como herói ou como vilã, são as pessoas que o transformam em paixão incontrolável.

Outra prova veio na noite desta quarta-feira, em Londres. O Chelsea recebeu o Paris-Saint-Germain pela Copa dos Campeões da Europa, e o público viu a consagração de dois zagueiros, por coincidência brasileiros e companheiros do mesmo time: David Luiz e Thiago Silva. A dupla titular da seleção no Mundial de 2014 garantiu, com gols de cabeça, a classificação memorável para as quartas de final do maior torneio de clubes do mundo. Ou ao menos o mais badalado.

Não vou enveredar pela análise tática do jogo. Essa fica para colegas que são mestres em destrinchar esquemas e respectivas sopas de números. Em palavras simples, sem nada de rebuscado, dá para resumir o desempenho dos dois times como se fossem atores. Um representou o papel do covarde, mesmo diante do público dele (o Chelsea). Outro se sentiu na obrigação de pegar o papel do destemido, do justiceiro solitário (o PSG).

José Mourinho, o “Special One”, o técnico mais sábio do universo, optou por colocar o Chelsea em posição de alerta. Com o elenco extraordinário que tem, considerou conveniente esperar iniciativa do PSG para vencer no contragolpe. Se deu mal, entrou pelo cano, viu uma trupe milionária ir para o espaço mais cedo que se imaginava. E com um timaço.

O Chelsea não soube ser atrevido nem com um a mais, após a expulsão de Ibrahimovic aos 32 minutos do primeiro tempo. Teve tanta dificuldade para aventurar-se no ataque que só fez 1 a 0 aos 36 da segunda etapa, com Cahill. O bravo PSG se desdobrou e empatou com David Luiz, numa cabeçada certeira, aos 41. E David vibrou, como manda o figurino.

O Chelsea, na mesma toada, fez 2 a 1 pênalti cobrado por Hazard, aos 6 do primeiro tempo da prorrogação. Falta cometida por Thiago Silva, que ficou com ar perdido, cara de choro, jeito envergonhado. E foi Thiago quem, numa cabeçada, fez o gol de empate e da classificação 9 da segunda parte do tempo suplementar.

David Luiz e Thiago Silva foram dois dos que ficaram por baixo por causa do fiasco brasileiro na Copa, a dupla chegou a  despertar desconfiança no PSG, até com a sombra de Marquinhos. E eis que, numa noite de fim de inverno, em Londres, ambos ressurgem. Voltam para Paris cobertos de glória como os responsáveis pela classificação. Merecem desfile em carro aberto na Champs Elisées e direito a discurso sob o Arco do Triunfo.

Futebol é bom demais.