1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

A velha Elisa e o novo Corinthians

Antero Greco

12 janeiro 2016 | 13:38

A velha Elisa morava no Jardim Brasil, numa rua sem calçamento. Quando chovia era uma lama só.

Mas nada que a impedisse de trabalhar numa loja do  largo São Francisco. Nada que a impedisse de ir a todos os jogos do seu Corinthians.

Elisa, a maior torcedora da Fiel, já se foi há um bom tempo.

Vamos imaginar que despertasse exatamente hoje.

Com certeza iria se informar sobre o seu querido Corinthians. E sorriria ao saber que seus meninos ganharam o título brasileiro de 2015. Uma glória para quem acompanhou os tempos difíceis do tabu contra o Santos, dos vinte e tantos anos sem títulos paulistas.

“Mas espera só um pouco Elisa, as coisas não estão assim tão bem: a diretoria vendeu um monte de campeões… sabe como é, dívidas pela construção do Itaquerão…”

Se título brasileiro é novidade, imagina o Itaquerão?

Elisa era do tempo de Vicente Matheus.

Curiosa, Elisa foi conversar com o técnico do time atual: vendendo tanta gente vai dar para brigar na Libertadores?

Os dois ficaram um tempão conversando e quem presenciou o bate-papo garante que o rosto de preocupação foi se transformando num enorme sorriso negro e simpático.

“O Tite me disse que o goleiro reserva é melhor que o Cássio, que o Danilo joga muita bola e que se o Gil e o Elias não forem para a China, não tem prá ninguém !!!”

E, gargalhando, Elisa sumiu pelos lados do Pacaembu, enrolada em sua inseparável bandeira alvinegra.

“Elisa!? Elisa?! E se o Elias e o Gil também forem embora???”

Deu para ouvir ao longe a voz abafada da corintiana:

“Aí meu filho… aí até o Tite pega o boné e volta para o Rio Grande do Sul levando junto a imagem de São Jorge”.

(Com Roberto Salim.)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.