1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Campeão de tiro treina no quintal de casa

Antero Greco

06 março 2016 | 00:34

O esporte brasileiro é feito de loucos por competir e daqueles que são loucos para aparecer. Atletas competem e dirigentes lucram.

O Maracanãzinho vai ficar fechado por quatro meses para arrumar o teto. O Engenhão construído em 2007 está em reforma. A pista do estádio Célio de Barros foi concretada… E dirigente graúdo vai fazer discurso em Londres.

Mas nem isso impede o surgimento de verdadeiros campeões por aqui. O menino Felipe Wu é exemplo.

Neste sábado (dia 5), ganhou uma inacreditável medalha de ouro, na Copa do Mundo de tiro, realizada em Bangcoc. Participando da prova de pistola de ar – 10 metros, ele foi o campeão, desbancando outros 47 atiradores.

Wu é um fenômeno. Tudo bem que é filho de casal de atiradores, mas o tiro no Brasil é uma piada.

Existe o Centro Nacional de Tiro – uma obra caríssima e gigantesca –, mas pouca gente treina lá. Custou R$ 105 milhões, foi a construção mais cara do Pan de 2007 e ainda assim precisa de reformas para os Jogos Olímpicos. Sem contar que nos 9 anos de sua existência foi utilizado pouquíssimas vezes.

De volta a Wu, que é o que interessa. Ele havia conquistado ouro no Pan de Toronto, em 2015. Se não treina no Rio, se em São Paulo são pouquíssimos os lugares para aperfeiçoar a mira, a técnica, onde é que o afina a pontaria?

Se você respondeu no quintal da casa dele… acertou! É lá mesmo, e a distância para o alvo não é de dez metros como nas competições. O quintal – pequeno – tem 7 metros.

Ainda assim Wu é o 56.º ranking e agora conquista o ouro numa etapa do mundial. Do jeito que as coisas são, Wu pode até brilhar na Olimpíada.

Adivinhem: se isso acontecer, quem irá entregar a medalha pra ele?

(Com reportagem de Roberto Salim.)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.