Corinthians dobra, mas não quebra

Antero Greco

16 Julho 2017 | 00h43

O Atlético-PR teve proeza reservada, até agora, apenas para Chapecoense e Coritiba, os únicos times em 14 rodadas que conseguiram roubar pontos do Corinthians no Brasileiro. O Furacão resistiu bravamente ao líder e saiu do estádio de Itaquera com 2 a 2 de muito valor, na noite deste sábado.

Em todo caso, não melhorou muito a vida dele, pois continua na parte de baixo da classificação, agora com 16 pontos. Tampouco interrompeu a invencibilidade de turma de Fábio Carille, que não perde desde março e subiu para 36 pontos em 42 disputados.

O jogo foi interessante, acima da expectativa. E muito pela postura correta da equipe paranaense, que teve o mérito de segurar os corintianos com marcação boa e sem ser apelativa. O Atlético foi correto na maior parte do jogo, sobretudo ao não se precipitar em apertar os alvinegros. Erro que derrubou ao menos 11 adversários nas rodadas anteriores.

Nos raros momentos de vacilo, levou os dois gols (de Jô, no final do primeiro tempo e início do segundo) e correu algum risco em contragolpes dos donos da casa. Porém, soube ir à frente, quando possível, ficou em vantagem por alguns minutos (golaço de Jonathan), e próximo do final empatou com chute de Otavio que desviou na cabeça de Balbuena no meio do caminho. Daria gol contra do zagueiro.


O Corinthians de esparsas modificações ao longo do campeonato foi obrigado a abrir mão de Pablo (contundido), além de Arana e Rodriguinho, suspensos. O trio substituto, formado por Pedro Henrique, Moisés e Marquinhos Gabriel, não alterou a forma de o time jogar. Nenhum dos três comprometeu; só Marquinhos esteve aquém do que tem feito Rodriguinho. Tanto que cedeu lugar para o jovem Pedrinho.

A postura corintiana variou, da cadência até levar o gol para a pressão na busca do empate e da virada. Depois, voltou a optar por ritmo mais lento, na estratégia de envolver o Atlético-PR e dar a estocada ao menor sinal de brecha. Que não apareceu. Teve o castigo do gol de empate, quando restava pouco tempo para nova reação.

Ao deixar dois pontos em casa não altera absolutamente nada. A “gordura” é enorme e a diferença pode manter-se inalterada, desde que Grêmio, Flamengo e Santos não vençam. Se ganharem (hipótese viável), a distância encurta e o Brasileirão pode ganhar emoção antes da virada de turno. No entanto, o óbvio: o Corinthians ainda sobra no torneio.