1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Doping em família

Antero Greco

13 fevereiro 2016 | 15:29

Reportagem de Roberto Salim.

Será que existe esporte sem doping?

Cada vez mais a resposta se aproxima de um “não” enorme.

O superatleta do alto rendimento precisa treinar mais, suportar a dor, o cansaço, tem de conquistar medalhas, resultados. E a ciência avança, traz remédios, suplementos, complementos e que-tais. Tudo dentro da lei. Que lei?

Uma vez, dona Vanda dos Santos, atleta da Olimpíada de 1952 contou que era a mascotinha da equipe nacional. O xodó do grupo que viajou para Helsinque. “Doping? Naquele tempo o nosso técnico dava gemada, para a gente suportar os treinos mais duros”.

Tempo da gemada. Bons tempos.

Agora é medicamento na veia. E furosemida para disfarçar o doping. Para mascarar as substâncias proibidas.

A recém-criada ABCD – agência nacional do controle de doping – quer se fazer respeitar. Tem feito exame em cima de exame. Mas no fundo é tudo igual aos anos passados. Pega-se um ou outro de esportes populares, como atletismo e boxe. Peixe graúdo de esportes da elite, nem pensar.

É o velho e bom preconceito que reina no país desde os tempos da escravidão.

No futebol, os exames são um verdadeiro faz de conta. No ciclismo esconde-se o máximo possível o nome dos que caem na rede. E assim mesmo alguns são perdoados internamente, desafiando a autoridade da ABCD. Tudo em nome das aparências e da boa imagem do esporte.

Lá fora a Rússia é a bola da vez. Descobriram agora que lá se usa doping. E nos Estados Unidos, na Alemanha, na Espanha, na França? Ninguém usa?

É um teatro.

Mas, nesta sexta-feira, um telefonema nos deixou com a pulga atrás da orelha: era a confirmação de que a fundista Sueli Pereira da Silva, melhor brasileira na São Silvestre, deu positivo para EPO. Até aí nenhuma novidade: a notícia já tinha saído em todos os jornais. A grande surpresa é que o filho dela, o Ronald, também atleta, teve exame positivo.

Ou seja, quando mãe e filho são flagrados no uso de substâncias proibidas é porque tem algo de muito ruim a acontecer no mundo do esporte.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.