Em palpos de Aranna

Antero Greco

29 Outubro 2017 | 22h28

Antes de mais, vamos ao óbvio: o Corinthians depende só dele para chegar ao título. Sim, senhor, com seis pontos (por enquanto) à frente de Santos e Palmeiras, basta recuperar o prumo para fazer a festa até a 38.ª rodada. Isso é matemática simples e simplória.

Vamos à tendência de momento: o que parecia improvável vai dando o ar da desgraça, pois o líder chega pressionado à reta final do Brasileiro. Vem ladeira a baixo, na banguela, com freio emperrado, e pode trombar de vez com outros rivais, Palmeiras sobretudo, e Santos a correr na pista lateral.

Inimaginável supor queda tão brusca de desempenho, de quase 82% no primeiro turno para 33% no segundo. Se foram 15 vitórias e 4 empates nas primeiras 19 rodadas, agora acumula 6 derrotas, 3 empates e 3 vitórias. Foram 49 pontos contra 12 acumulados por ora. Nas contas anteriores, se mantivesse aproveitamento em torno de 49 ou 50%, chegaria com facilidade à sétima taça.

Embolou tudo – e pode enroscar ainda mais, se o Palmeiras ganhar do Cruzeiro, nesta segunda-feira, no Allianz. Daí, o dérbi de domingo em Itaquera pega fogo.


O Corinthians enroscou-se numa teia criada por ele mesmo. Sim, caro amigo alvinegro ou não, a rapaziada de Fábio Carille é responsável pela situação delicada em que se encontra. Se no turno, superou expectativas, com futebol correto, eficiente, solidário e preciso, agora emperrou, dispersou, brecou ousadia e criatividade. O Timão virou equipe comum, que não bota medo nos adversários.

Outra prova veio neste domingo, no duelo com a Ponte, em Campinas. Não foi a pior partida nessa série negativa. Até que o Corinthians buscou ao menos o empate, especialmente no segundo tempo, com uma infinidade de finalizações – a maioria parou em Aranha. Fazia tempo que não via o goleiro já veterano pegar tanto! Fechou o gol, foi um paredão.

No entanto, os corintianos não assustaram a turma de Eduardo Baptista. A Ponte se propôs segurar a pressão, que existiu, e apostou nos contragolpes. Artifício manjado no futebol, tão velho quanto o primeiro chute na bola. E deu certo. Por ironia tão frequente, o golpe de misericórdia veio por meio de Lucca, cria do Parque São Jorge: gol de cabeça, aos 39 minutos do primeiro tempo e fim de conversa.

Carille apostou na formação que não havia perdido no ano – 7 vitórias e 5 empates – e nem isso funcionou. Apelou para mudanças mais atrevidas, com a entrada de Cleyson, Pedrinho, Kazim, e… nada. A tal limitação de elenco, cantada antes do início da Série A, só agora revela sua face cruel. O banco corintiano, considerado fraco, mostrou que é… fraco mesmo.

A apreensão chegou, não há como negar. Só não pode transformar-se em pânico. Afinal, o Palmeiras pode não passar pelo Cruzeiro e pode perder no domingo que vem. Daí, tudo volta ao normal. Ao mesmo tempo, também é indisfarçável que o Corinthians está em palpos de aranha… por obra e arte, ao menos neste domingo, pelas defesas do Aranha.

Com o perdão do trocadilho.