Está ficando com boa cara o Palmeiras

Antero Greco

04 Fevereiro 2018 | 19h18

Meu amigo, o Palmeiras versão 2018 está ficando com um jeito interessante. Não só por causa dos resultados – cinco vitórias enfileiradas -, mas pela maneira de jogar. E é isso o que importa. O time que o Roger Machado constrói, durante o Paulistão, pode dar o que falar…

Tanto vai bem que passou sem sufoco pelo primeiro teste para valer. O desafio foi o Santos, no clássico da tarde deste domingo, no Allianz Parque. E não houve espaço para decepção: 2 a 1, com direito a gol de zagueiro logo no início (Antonio Carlos), gol de Borja e estreia de Scarpa. Fora a casa lotada, como já virou praxe há bastante tempo.

Há dois aspectos a destacar: a movimentação e o autocontrole. A turma verde não fica parada, num esquema preso e burocrático. Os deslocamentos são constantes, desde os laterais até os atacantes e o pessoal do meio.

Marcos Rocha e Vitor Luís foram muito à frente, Tchê Tchê apareceu várias vezes para finalizar, Lucas Lima e Dudu alternaram lances pela direita e pela esquerda, assim como Willian e Borja. Só Felipe Melo ficou mais fixo na proteção à zaga.


E deu certo. Além de contar com pressão adicional sobre o Santos com o gol de Antonio Carlos com dois minutos. E, depois, com bola na trave em finalização de Lucas Lima.

Os dois episódios iniciais abaixaram a tensão palmeirense, que teve o jogo sob controle praticamente o tempo todo. Ficou mais tranquilo com o gol de Borja, aos 4 do segundo, e não se abalou com o gol de Renato, em cruzamento da direita, num erro de arbitragem. (A bola havia saído e seria escanteio.)

Keno e Bruno Henrique entraram com vontade, embora não tenham mudado o andamento da partida. Scarpa jogou menos de dez minutos; foi só para sentir o gostinho de ter contato com o público.

É um Palmeiras ok, em evolução evidente. Com falhas, ainda, em certos contragolpes adversários, com necessidade de mais arremates e melhor fôlego. Mas coleciona atuações que dão esperança para seus seguidores. A aguardar…

O Santos tem mais limitações e Jair se vê obrigado a recorrer a muitos jovens. Vai demorar um pouco mais para entrosar a tropa.