Noite de emoção para quem ama futebol

Antero Greco

28 Março 2015 | 23h40

Meu amigo, que noite de sábado linda para quem gosta futebol. Mas futebol de verdade, com quem sabe tratar da bola com carinho, intimidade e respeito. O que se viu na festa de despedida de Alex, no novo estádio palestrino, foi de encher os olhos – e não necessariamente de palmeirenses, mas de amantes do esporte. Um desfile de craques no duelo Palmeiras-99 5 x Amigos de Alex 3. Aliás, dou o placar por vício, porque é o que menos interessa no caso.

O importante foi a homenagem a um atleta que teve passagem marcante pelo Palmeiras, sobretudo pela conquista da Taça Libertadores de 1999. Ainda bem que o clube não demorou para festejar o ídolo que se aposentou no final de 2014 e agora virou comentarista esportivo.

E, tão importante quanto a festa, foi a presença de uma legião de convidados de primeira linha. No banco, Felipão e Zico, que dispensam apresentações. Dentro de campo, Velloso, Sérgio, Marcos, Cléber, Edmundo, Djalminha, Evair, Euller, Gilberto Silva, Sorín, Roque Júnior…

Fora todos esses, o maior, o grande, o eterno ídolo palmeirense: Ademir da Guia. O Divino jogou pouco mais do que 15 minutos, marcou um de pênalti – o último do jogo – em cobrança seca, no meio do gol, “de três dedos”. Só de ver Ademir com a 10 nas costas já valeu a noite.

Alex, o dono da noite, fez dois, assim como Edmundo, Evair e Euller. Para os Amigos de Alex marcaram o turco Sanli, Fabiano e Aristizábal.

Claro que era uma partida sem tática, sem preocupação, uma confraternização entre amigos. Mas dá um aperto ver como o futebol brasileiro produziu craques, e, com exceção de Ademir, os demais não faz tanto tempo assim que pararam… Quem parou foi o futebol brasileiro…