O Palmeiras em busca de identidade

Antero Greco

22 Março 2015 | 23h29

A temporada de 2015 já entra no terceiro mês e os times moldam o jeito de jogar. O Palmeiras foi dos que mais investiram em contratações e ainda busca padrão, identidade, DNA. Oswaldo de Oliveira parece ter ao menos sete titulares definidos – na defesa, sobretudo. Resta mais clareza no meio-campo e no ataque.

A indefinição ficou em evidência no 1 a 0 sobre o São Bernardo, na noite deste domingo, no Estádio 1.º de Maio. Outro resultado importante, classificação para a próxima fase no papo e ânimo na torcida – mais de 11 mil pagantes, público superior ao dos jogos de Santos no sábado e São Paulo no Morumbi também neste domingo. Mas vitória apertada, na marra, num belo gol de Vitor Hugo.

O Palmeiras dominou, como tem sido praxe contra os pequenos, e se enroscou na marcação do rival. Nessa hora, se nota a falta do toque de classe, do drible, do passe que desequilibra. Não há o talento acima da média, assim como falta rapidez nos contragolpes. Talvez isso venha com o tempo e na medida em que a escalação se repetir e o houver sintonia fina entre os jogadores.

Nem foram tantas as oportunidades, apesar das tentativas de Cristaldo e Rafael Marques, os melhores em campo. Em diversos momentos, procuraram a solução individual, na carência de mais tabelas. É isso, a orquestra precisa ensaiar, ensaiar, ensaiar e ter solistas bem determinados.

Na quarta-feira, tem outro teste importante, contra o São Paulo. O nível de preparação do time será colocado à prova. Virá, enfim, uma vitória em clássico?