Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes

Esportes » Uma antiga história de Palestra x Ferroviária

Futebol

0

Antero Greco

27 Fevereiro 2016 | 19h49

Tem gente que pode achar exagero, mas em tempos de vacas magras e de futebol pobre é preciso lembrar do maior Palmeiras e Ferroviária de todos os tempos. Foi numa tarde de sábado, 27 de novembro de 1965 (50 anos atrás), que os dois times entraram no antigo Parque Antártica.

A camisa palmeirense era verde mesmo. E a da Ferroviária, grená. Tudo como no jogo marcado para a tarde deste domingo, na pomposa Arena alviverde.

Até aí nenhuma novidade. A diferença eram os jogadores que vestiam os uniformes: verdadeiros craques da bola.

Pelo Palmeiras, o técnico Mário Travaglini escalou: Valdir; Djalma Santos, Djalma Dias, Valdemar Carabina e Ferrari, Dudu e Ademir da Guia; Germano, Ademar Pantera, Servílio e Rinaldo. A Ferroviária, do treinador Carlito Roberto, alinhou: Navarro; Geraldo, Brandão, Rossi e Fogueira; Adão e Bazani; Nilo, Djair, Tales e Pio.

Grandes jogadores! Melhor que eles, só mesmo a partida: emocionante do começo ao fim. Quando o juiz Benedito Francisco apitou o final, os palmeirenses deixaram o campo orgulhosos e a torcida aliviada. O Palmeiras inverteu um placar de 3 a 0 no primeiro tempo para 4 a 3 – com três gols do inacreditável Ademar Pantera e um de Servílio.

Naquela tarde teve garoto que não acreditou na virada, deixou o Parque antártica no intervalo e se escondeu embaixo da cama para não ouvir pelo rádio a goleada que se anunciava e não aconteceu. Eram outros tempos, outros jogadores e outro futebol.

Do time atual, só mesmo um menino como Gabriel Jesus poderia ter disputado aquele jogo.

(Com colaboração da memória afetiva de Roberto Salim.)

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentarios