Real Madrid x Schalke, simplesmente um jogão!

Antero Greco

10 Março 2015 | 20h03

Lembra do Ataíde Patrese? Era um apresentador de tevê de São Paulo, puxado para o brega, que costumava definir coisas de que gostava como “Simplesmente um luxo”. Pois lembrou do saudoso rapaz após Real Madrid 3 x Schalke 4, na noite desta terça-feira, pela Copa dos Campeões. O que se viu no Santiago Bernabéu foi “simplesmente um jogão”. Esse, sim, se pode dizer que entrou para a história da competição.

E por quê? Porque os dois times se preocuparam em jogar bola, trataram de buscar o gol e pouco se incomodaram em caneladas, cera e tramoias do gênero. Empolgaram os torcedores deles, e por extensão todo mundo que gosta de futebol. Pra quem acompanhou pela tevê não houve jeito de desgrudar o olho da telinha. Respiração em suspenso até o último segundo.

O Schalke precisava tirar a diferença dos 2 a 0 que tomou em casa. Tarefa pra lá de complicada, em Madri e diante de um gigante como o Real. Mas encarou e a necessidade o fez ser valente. Enfrentou de igual para igual, sem receio do que poderia ocorrer. E aconteceu o primeiro gol, aos 20 minutos, marcado por Fuchs, que jogou um bolão. Mal os alemães respiraram e Cristiano Ronaldo meteu a testa na bola para empatar. Isso aos 25. Aos 40, Huntelaar colocou o Schalke de novo em vantagem. Mas aos 45 lá veio o lépido português Cristiano Ronaldo para igualar outra vez.

A correria se manteve no segundo tempo. Só que o Real virou, com Benzema aos 8 minutos. Deu uma esfriada no Schalke, que ainda assim não abriu mão do jogo. Mesmo sem entusiasmo contagiante, empatou aos 12, com Sané. Até que Huntelaar aos 39 fez 4 a 3. O jogo incendiou, o Schalke chegou duas vezes com perigo e quase faz o quinto, que seria o da classificação.

O que houve de encanto nesse duelo? Apenas o futebol, jogado com vontade, com inteligência, com alma e sem mistérios. Por que é tão difícil ver isso repetido com frequência? Principalmente por aqui, onde já tivemos o futebol mais bonito do mundo?