Resultado para encorajar a seleção

Antero Greco

26 Março 2015 | 20h37

Dunga pode tirar uma grande lição dos 3 a 1 de virada da seleção sobre a França, o amistoso disputado na noite desta quinta-feira, em Paris. O resultado serve para animar o grupo, ainda em fase de reconstrução depois do fiasco na reta final do Mundial. E não só. Tem tudo para tornar-se um estímulo para abrir caminho novo até a disputa da Copa de 2018 na Rússia.

E qual é a senda que surgiu? A de que a seleção não precisa manter-se dependente de Neymar, como tem ocorrido nos últimos anos. Com Mano, com Felipão e mesmo com Dunga, a tática frequente tem sido a de toca pro Neymar e seja o que Deus quiser.

Isso é bom e péssimo. O lado positivo está no fato de que se confia no talento de Neymar, o único brasileiro acima da média nos dias de hoje. Por outro, joga-se enorme responsabilidade em cima de apenas um homem. Quando ele não estiver bem, ou for marcado com eficiência, some. E, por extensão, desaba o esquema da seleção.

Esse erro ocorreu no primeiro tempo, em que os franceses se fecharam, não deram espaço e o desafogo só vinha com Neymar. Sem nada de prático. Na única jogada bem elaborada, veio o empate com o Oscar, numa trama da qual o Neymar também participou.

O melhor ficou para a segunda parte. O Brasil mais solto e com variação no toque de bola virou com o próprio Neymar e consolidou a vitória com Luiz Gustavo. Ou seja, é preciso dar chance para que mais gente cresça e apareça. É necessário incentivar Elias, William, Oscar, Firmino e outros a se desinibirem, a tomarem iniciativa, a ousarem. Assim, cai essa dependência do Neymar.

Será bom para todos – sobretudo para Neymar, que ficará mais livre para infernizar os adversários. A bola está com Dunga, que ele saiba o que fazer com ela.