1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

São Paulo arranca empate digno

Antero Greco

10 março 2016 | 22:22

E não é que o São Paulo aguentou o tranco em Buenos Aires? Ganso, Denis e companheiros contrariaram previsões de surra iminente, diante do River Plate, no Monumental de Nuñez. Ao contrário, evitaram a catástrofe, deram trabalho ao atual campeão da Libertadores, seguraram 1 a 1 e voltam para casa satisfeitos com a aventura.

Foi o primeiro ponto em duas rodadas, mas tem peso enorme no futuro da equipe de Edgardo Bauza. Com o empate, os tricolores evitaram que o River deslanchasse, chegasse a 6 pontos e dividissem a liderança com The Strongest. Agora, a projeção é a de que eventual disputa por segunda vaga na chave seja justamente com o time argentino – e o jogo de volta está marcado para o Morumbi.

Enfim, o São Paulo partiu desconsolado e regressa animado. O resultado mostrou evolução da tropa. Calma, não chegou a ser apresentação memorável, impecável. Longe disso. O São Paulo continua a ter limitações, carece de regularidade, não está com o sistema defensivo ajustado. Nem incomodou tanto o goleiro do River.

Mas se comportou com dignidade, à altura de sua tradição no torneio. O River pressionou no início, como manda o figurino, criou oportunidades para abrir o placar. Não o fez e ainda levou o susto com o belo gol marcado por Ganso aos 16 minutos. O River não é o bicho-papão que se imaginava na condição de campeão continental. 

A vantagem fez o São Paulo acalmar-se e crescer. O River sentiu o baque, e só não se enervou porque empatou aos 32, em gol contra de Thiago Mendes. Dali em diante, até o intervalo, prevaleceu o equilíbrio. Na etapa final, o River insistiu, apertou, mas não fez o suficiente para virar. O São Paulo ficou à espera de um contragolpe decisivo que não veio.

Bauza mantém a aposta em Centurión. Mas, pelo visto, ela perde força aos poucos. O argentino mais uma vez ficou abaixo do esperado. Michel Bastos entrou no lugar dele e, mesmo sem brilho, jogou até mais. Calleri é outro que entrou em parafuso e não se acerta. O lance principal dele foi numa disputa em que reclamou de pênalti.  Kardec o substituiu, correu muito e concluiu pouco. São peças para ajustar.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.