Seleção está eficiente. E pode melhorar

Antero Greco

29 Março 2015 | 13h44

Calma, calma, calma. Não embarque na euforia fácil, sobretudo quando se trata de seleção brasileira. Tem uma turma que, por diversos motivos – até por patriotismo sincero –, levanta a bola da equipe nacional com a maior facilidade. Desde que ela também sirva para aumentar a audiência…

O retrospecto recente do time pela segunda vez sob o comando de Dunga é excelente. Se forem pegos os números friamente, 8 vitórias em 8 apresentações são incontestáveis. Aproveitamento de 100% e etc, detalhes que você já deve ter ouvido umas 200 vezes, desde que acabou o amistoso com o Chile – 1 a 0, no Emirates, em Londres, a casa da seleção da CBF.

Óbvio que vencer sempre é bom. Ainda mais em momento de reestruturação, como é a tarefa atual de Dunga e seus auxiliares. Só não concordo com excessos, os de sempre (“o futebol brasileiro está resgatado”, “esse é o Brasil”) porque há etapas a serem superadas. A primeira é a Copa América. Depois, Eliminatórias para a Copa de 18, eventualmente a Copa das Confederações e, daí sim, o Mundial da Rússia.

O caminho, portanto, é longo. Para mim, o que interessa é projetar, entrever o que virá adiante em termos de comportamento da seleção. As perguntas: o Brasil joga bem? Há espaço para evolução? Tomou o rumo de uma revolução na forma de atuar? Encantará o mundo novamente? Ou será mais do mesmo, com equilíbrio que não encontrou no ano passado?


Minha tendência é a de dizer sim para a primeira e para a última das indagações. A seleção, com remanescentes do grupo de Felipão, tem dado conta do recado, como mostram os placares positivos, e deve ser mais eficiente à medida que amadurecer.

No momento, porém, não faz imaginar um grupo inovador, transgressor, que marcará pelo ineditismo. Não é a cara do treinador. Dunga foi aplicado e conservador como jogador, mostrou ser assim como técnico. É adequado esperar um time correto, obediente, com lampejos de criatividade.  Que pode obter sucesso, por que não?

Os sinais de que Dunga prepara uma equipe competitiva, sem ser extraordinária, vêm nos jogos que dirigiu desde o segundo semestre de 2014. Fica evidente a preocupação com o sistema defensivo, a marcação, a roubada de bola e a saída para o contragolpe. Tão clara a opção que valeu a vitória sobre os chilenos: Danilo fez lançamento longo para Firmino marcar, no único lance de perigo, de fato, criado em todo o jogo.

Por ora está de bom tamanho. Espero que, com o tempo, aumente o repertório, para encorajar “professor” e jogadores a serem também ousados. Sim, recorro ao papo tradicional e que, para muita gente, é furado: combinar eficiência com jogo bonito. Não é impossível.