1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Também o Geuvânio?!

Antero Greco

23 janeiro 2016 | 12:54

Crônica do jornalista Roberto Salim.

Tianjin Quanjin, time do Vanderlei Luxemburgo, é o destino do meia Geuvânio. A diretoria disse que não dava para segurar, diante da oferta de 11 milhões de euros., mais de 50 milhões de reais.

A história é sempre a mesma: vende-se o juvenil, a promessa, o jogador que começa a se destacar, outro que já está virando ídolo da torcida. Vende-se a tradição e só não consigo entender por que não vendem também o nome do clube. Deviam vender de uma vez.

Só não conseguem vender a torcida.

Mas deviam: a massa alvinegra santista pode virar chinesa, se levarem de quebra o Lucas Lima, o Ricardo Oliveira e o Gabigol.

Seria duro convencer aquela turma das numeradas, mas com jeitinho e com os dirigentes que temos, as coisas chegariam a bom termo.

O Geuvânio pintou como promessa, foi se destacando, ganhou moral, fez gols, virou xodó da torcida. É claro, jovem, deu uma escorregada. Agora estava voltando a ser esperança.

Mas onze milhões são onze milhões.

E a diretoria tem que dividir o “tutu” com os investidores. E assim é mais um que vai sem dizer adeus bater sua bola fora de nosso país.

Enquanto isso em Santos o outro assunto é a construção de um novo estádio, em parceria com a Portuguesa Santista.

Arena para 20 ou 25 mil pessoas.

A alegação é a de que na Vila o glorioso alvinegro não pode mandar uma final de Libertadores.

Santo Deus! Quantas finais de Libertadores o time vai disputar na vida? Tomara que sejam muitas… mas, quantas?

E a Vila que é um charme, que tem história, que exala futebol real vai virar o quê?

Parece que os dirigentes não sabem que sem os “Geuvânios” a torcida vai se afastar cada vez mais de suas paixões.

O ideal seria que os chineses viessem buscar também nossos dirigentes e os levassem para a federação e os clubes de lá.

E que eles nunca mais voltassem.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.