Vira, mexe e Danilo ajeita o Corinthians

Antero Greco

01 Março 2015 | 18h16

Tite escalou o Corinthians com vários reservas – termo que ele não gosta, pois afirma que “há um grupo” – para o jogo com o Mogi Mirim, na tarde deste domingo. Como consequência, a partida no Itaquerão foi arrastada, no primeiro tempo. Mudou no segundo, por causa do belíssimo gol marcado por Jadson e também pela entrada de Danilo. O veterano e eclético meia substituiu Vagner Love e deu mais ritmo e agilidade à equipe.

O compromisso pelo Campeonato Paulista serviu como nova etapa de preparação para o segundo jogo pela Libertadores – na quarta-feira, diante do San Lorenzo, na Argentina. Tite seguiu a linha de raciocínio dos últimos tempos e optou pela manutenção do rodízio.

As mexidas atingiram todos os setores, com Yago e Dracena na zaga, Mendoza na esquerda, Cristian e Luciano (fez o segundo gol) no meio e a presença de Love ao lado de Guerrero (que fechou a conta). Dessa maneira, o treinador viu, na prática, como pode alterar a formação principal quando necessário. Ele diz que, com tal procedimento, mantém todos me atividade e motivados.

Não está errado, mas há um bloco de titulares e isso é inegável. O Mogi deu trabalho no primeiro tempo, ao se fechar bem. Raras as jogadas mais bem elaboradas pelo Corinthians, no ataque, o que deu tom monótono ao jogo. Em compensação, pôde ver que Dracena aos poucos se solta (mandou bola na trave), que Cristian tem mais velocidade e que Vagner Love (também com uma bola na trave) ainda carece de preparo; falta-lhe mobilidade.

Tite também pôde constatar o óbvio: a permanência de Jadson lhe proporciona alternativas no meio-campo e também nas finalizações. E, claro, não há como abrir mão de Danilo, que vive fase extraordinária. Mesmo quando não quer, vira protagonista, pela forma serena com que se apresenta, como ajuda a estabilizar o time. Pode até não ser titular absoluto, mas nome certo para ser usado em momentos decisivos.