O retorno

O retorno

A exemplo de Eder Jofre, Sugar Ray Leonard e George Foreman, o blog está de volta aos "ringues"

Wilson Baldini Jr.

10 Outubro 2017 | 17h21

 

Foreman foi campeão mundial dos pesados duas vezes (1973 e 1994). REUTERS/Kai Pfaffenbach

Grandes boxeadores tiveram suas carreiras marcadas por retornos espetaculares. Eder Jofre, o maior peso galo de todos os tempos, ficou três anos parado (1966 a 1969) e retornou para ser campeão mundial dos pesos penas em 1973, aos 37 anos de idade.

Sugar Ray Leonard, um dos pugilistas mais clássicos da história da nobre arte, também ficou afastado pelo mesmo período dos ringues. Voltou para protagonizar uma das lutas mais sensacionais de todos os tempos, ao superar Marvin Hagler, após 12 rounds eletrizantes.

Big George Foreman foi além. Pendurou as luvas por dez anos e retomou a rotina dos treinamentos dez anos depois, aos 38 anos. Colocou seu nome na história, ao ganhar pela segunda vez o cinturão mundial, com uma vitória espetacular sobre Michael Moorer, aos 45 anos, em 1994.

Nesta terça-feira meu blog está de volta ao Estadão, onde ele nasceu. Tenho de admitir que o brilho não é o mesmo dos três astros acima no texto, mas posso garantir que o entusiasmo é muito maior.

O boxe volta a ter seu espaço. E ele merece. Prometo honrar cada linha, indo em busca da informação, da opinião, da história. Para o bem da nobre arte.

Obrigado!