Ainda existe gratidão no vôlei. O nome é Fernanda Tomé.

Bruno Voloch

01 Maio 2017 | 11h59

O caso envolvendo Fernanda Tomé é raríssimo. Prevaleceu a gratidão.

A história é bem simples.

Fernanda, convidada para treinar com a seleção brasileira, recebeu propostas do Pinheiros e de Barueri para jogar a próxima temporada.

Disse não aos dois clubes.


A jogadora optou em permanecer no São Caetano e manter o acordo firmado com a supervisora Marina Miotto.

O detalhe é que as duas propostas, principalmente a de Barueri, eram bem superiores em termos financeiros. O time de José Roberto Guimarães ofereceu, segundo o blog apurou, cerca de R$ 150 mil.

Fernanda perde dinheiro. Fernanda porém ganha a admiração de São Caetano e daqueles que militam no esporte.

Foi o clube do ABC paulista que abriu as portas para a atleta quando ela deixou Araraquara há 2 anos. Foi o São Caetano que recuperou Fernanda fisicamente.

Nada mais justo. Haírton Cabral deve estar orgulhoso. É o famoso reconhecimento.

Atitude corajosa e que deveria servir como exemplo.