As coisas são fáceis, a gente é que complica. Certo, Bauru?

As coisas são fáceis, a gente é que complica. Certo, Bauru?

Bruno Voloch

21 Outubro 2017 | 08h36

Fernando Bonatto, técnico de Bauru, inventou e terá que se explicar. O treinador decidiu barrar a ótima levantadora Juma para escalar Ju Carrijo como titular contra o Fluminense.

Isso tudo em casa, diante da torcida e vindo de derrota na estreia.

Corajoso, não?

Pior que não.

Fernando Bonatto brincou e quase se deu mal. A brincadeira custou caro ao time paulista. Só depois de perder o primeiro set é que o técnico resolveu se render ao óbvio e colocar Juma no jogo.

O resultado não poderia ser outro. 3 a 1 para Bauru.

O treinador pelo menos teve a humildade ou se viu obrigado a reconhecer o erro.

Nada contra Ju Carrijo.

Pelo contrário.

A levantadora, quando veio do banco, entrou até bem e fez pontos importantes de saque.

Outra que se saiu bem foi a oposta Helô. Só que ainda falta muito para ser a Helô que encantou a todos com a camisa do extinto time do Rio do Sul. Está no caminho certo. Precisa de ritmo e confiança.

A comissão técnica de Bauru tem que dar carinho para a jogadora. Ela será muito importante.

O Fluminense, da sempre eficiente Renatinha, sobreviveu enquanto Bauru permitiu. Simples. Quando o técnico adversário escalou o que tinha de melhor e encarou o jogo com seriedade, sem brincadeiras, o time carioca não resistiu.