Bom negócio? William era feliz no Cruzeiro e não combina no Sesi. Rapha ri à toa em Taubaté.

Bom negócio? William era feliz no Cruzeiro e não combina no Sesi. Rapha ri à toa em Taubaté.

Bruno Voloch

02 Outubro 2017 | 09h37

A saída de William do Cruzeiro nunca foi bem digerida pela torcida e os dirigentes mineiros. Direito do atleta. Ponto. Proposta irrecusável financeiramente e valorização profissional.

O Sesi vê ou via no levantador a única chance de acabar com a hegemonia do Cruzeiro. Bruno passou, acabou não fazendo a diferença  e não deixou saudade.

Será mesmo que William fez um bom negócio?

Não creio.

Talento ele tem de sobra. Campeão olímpico, aceitou o desafio de comandar o Sesi. Só que não será fácil. A primeira experiência foi frustrante.

O Sesi depois de 8 anos sequer se classificou para a decisão do campeonato paulista.

Existem outras situações que podem ser anexadas ao caso.

A torcida não é igual. Ambiente idem. Identificação com a camisa. Técnico. Marcelo Mendez é infinitamente melhor que Rubinho.

E por fim. Wallace.

Se bem que na temporada passada William já não tinha o oposto da seleção como parceiro. Só que Evandro ainda é superior ao jovem Alan e também Franco.

Enquanto isso Rapha, em ótima fase, ri à toa.

Disse ‘não’ ao vôlei da Itália, será tetracampeão estadual e Taubaté é hoje o único time capaz de bater o Cruzeiro e vencer a Superliga.