FIVB comemora 70 anos e lança Liga das Nações com premiação igual para homens e mulheres.

FIVB comemora 70 anos e lança Liga das Nações com premiação igual para homens e mulheres.

Bruno Voloch

13 Outubro 2017 | 08h35

A festa de comemoração dos 70 anos da FIVB, Federação Internacional de Vôlei, marca o fim da Liga Mundial e do Grand Prix.

Ary Graça, presidente da entidade máxima do esporte, anunciou em Paris a criação da Liga das Nações. O torneio valerá para as duas categorias.

O dirigente disse na França que a Liga das Nações será a competição mais importante na história da FIVB.

12 seleções permanentes jogarão o torneio a partir de 2018 tendo sempre a companhia de países convidados.


A Liga das Nações vai ter 130 jogos em cada naipe. 

A FIVB firmou parceria com a Endeavor, empresa responsável pelo marketing do UFC. O objetivo é aumentar a visibilidade do vôlei, incentivar as transmissões na internet e usar cada vez mais as redes sociais. A Endeavor quer tornar o voleibol o segundo esporte mais popular do planeta.

Entre os homens BRASIL, Estados Unidos, China, Itália, Sérvia, França, Irã, Argentina, Polônia, Alemanha, Rússia e Japão são os países considerados intocáveis.

Austrália, Coreia do Sul, Canadá e Bulgária serão os convidados em 2018.

BRASIL, Itália, Estados Unidos, Sérvia, China, Holanda, Tailândia, Coreia do Sul, Alemanha, Turquia, Japão e Rússia formam o grupo dos 12 no feminino.

Argentina, República Dominicana, Polônia e Bélgica completarão o seleto grupo em 2018.

A premiação, antigo desejo e eterno motivo de insatisfação entre as mulheres, será rigorosamente a mesma entre eles e elas.

O blog apurou que FIVB pretende vai criar a Liga Challenger, uma espécie de segunda divisão que funcionaria como acesso.