Saída de Osasco, literalmente, é Tandara.

Saída de Osasco, literalmente, é Tandara.

Bruno Voloch

07 Outubro 2017 | 12h16

Osasco passou. Ganhou de Bauru por 3 a 1 e está na decisão do campeonato paulista. Seria favorito em qualquer circunstância. Contra Barueri na final não é diferente.

Alguns pontos chamaram atenção na partida realizada no José Liberatti.

Spencer Lee agiu bem. Fez certo ao deixar de fora Nikolic e Paula Borgo. A gringa precisa de tempo para se adaptar. Não é mágica. Nunca viu Carol na vida. Portanto nada mais natural que demore para se entrosar.

Paula não. Essa não tem desculpa. O que tem faltado é bola mesmo. E ela tinha.

Natália fez o básico. Me arrisco a dizer que em Bauru entrou melhor.

Lorenne não.

A jovem aposta de Osasco parece ter sentido o peso de atuar diante da torcida e estava presa em quadra. Ainda pode acontecer. Será útil.

Quem classificou o time para a final foi Tandara. E ela seria ainda mais eficiente livre do passe. Já imaginou?

Por que não Tandara na saída? Ela, hoje, é a saída para Osasco.

Mari Paraíba não segura no ataque. Joga porque ajuda e muito no passe. É uma espécie de Malesevic, guardadas as devidas proporções.

A líbero Tássia é esforçada. Só é confiante demais para o meu gosto. Líbero não pode arriscar e na dúvida tem que ir na bola. É muito golpe de vista para uma líbero só.

Quem tem segurado as pontas é a experiente Carol Albuquerque. Mão boa e eficiente.