Rafael dos Anjos põe fim ao show de Anthony Pettis

Rafael dos Anjos põe fim ao show de Anthony Pettis

Lutador carioca se tornou o primeiro brasileiro a conquistar o título dos leves do UFC, em atuação perfeita contra "Showtime"

Fernando Arbex

16 Março 2015 | 14h54

Iniciar sua trajetória em uma organização com duas derrotas seguidas não é o ideal e gera uma boa dose de descrédito, mas roteiros que envolvem reviravoltas de grande porte costumam render bons filmes. Novo campeão peso leve do Ultimate, Rafael dos Anjos não é o mesmo lutador que estreou no octógono sofrendo um nocaute do limitado Jeremy Stephens. O carioca é desde 2012 um atleta de MMA completo e no último sábado bateu Anthony Pettis no UFC 185 para premiar o brilhante trabalho dele e de seu treinador Rafael Cordeiro, ao conquistar o cinturão da categoria mais difícil do esporte.

Dos Anjos comemora com sua equipe. Crédito: Ronald Martinez/Getty Images

Dos Anjos comemora com sua equipe. Crédito: Ronald Martinez/Getty Images

Pressão. Contrariando o que eu escrevi na semana passada, Dos Anjos se provou melhor em executar estratégia semelhante àquela proposta por Gilbert Melendez no último mês de dezembro. A diferença entre os dois foi que Gil combinava poucos ataques antes de tentar a queda, enquanto o carioca se ariscou mais e buscou machucar o adversário o quanto pôde. Também foi acertado e correu riscos, mas quebrou o psicológico do rival.

Dos Anjos abafa Pettis. Crédito: Brandon Wade/AP

Dos Anjos abafa Pettis. Crédito: Brandon Wade/AP

 

É sabido que não se pode dar espaço para Pettis trabalhar seus chutes e o carioca foi perfeito ao sufocá-lo do início ao fim. Vencida a batalha em pé, o novo campeão foi inteligente em mesclar seus golpes com entradas de quedas executadas em momentos chaves – e, uma vez no chão, confirmou-se a lógica de que “Showtime” levaria pouco perigo jogando por baixo do faixa preta de jiu-jitsu.

Assim como em todas as áreas, Dos Anjos foi superior no chão. Crédito: Ronald Martinez/Getty Images

Dos Anjos foi também superior no chão. Crédito: Ronald Martinez/Getty Images

Futuro. O norte-americano é brilhante, mas já havia sentido dificuldade anteriormente ao sofrer pressão. No WEC, foi vencido por Bart Palaszewski e tomou sufoco de Shane Roller, enquanto, já no UFC, perdeu rounds para Melendez e Stephens, além de ter sido totalmente anulado em derrota para Clay Guida.  Pettis é hoje ex-campeão de ambas organizações e deve conquistar uma chance de recuperar seu título, mas seria bom que ele, assim como Junior dos Santos, focasse em desenvolver seu jogo de contra-ataque. Strikers muito focados em tomar a iniciativa acabam sofrendo quando enfrentam bons derrubadores porque se expõem muito a quedas ou acabam recuando até bater as costas na grade.

A Dos Anjos, seria conveniente que ele não enfrentasse Khabib Nurmagomedov de novo, o único homem a derrotar o campeão nas últimas dez lutas. O russo é em atividade o peso leve que melhor derruba adversários e o carioca não conseguiu se manter em pé quando eles se enfrentaram há um ano. Inativo desde aquele confronto por causa de uma lesão no joelho, Nurma voltará a atuar em 23 de maio, no UFC 187, em duelo contra Donald Cerrone – que já foi derrotado por Dos Anjos e também costuma sentir dificuldade quando pressionado.

Demais lutas. Como era de se esperar, Henry Cejudo utilizou Chris Cariaso de escada e em breve deve fazer lutas que o aproximem de disputa de título na divisão dos moscas. Overeem, como sempre, deu sopa para o azar, mas por sorte a oportunidade dada a Roy Nelson foi no terceiro round, quando o gordo invariavelmente já está muito cansado – no sábado, os chutes e joelhadas aplicados pelo holandês no corpo do rival contribuíram.

Inteligente foi Johny Hendricks, que usou seu wrestling superior para fazer uma luta segura (e chata) e não deu chance a Matt Brown, que voltou à realidade e provou que não está no nível da elite dos meio-médios. Por fim, a polonesa Joanna Jedrzejczyk contrariou a “torcida” de quem tem dificuldade em escrever e pronunciar seu nome e se tornou o terceiro europeu a conquistar um título do UFC, ao aplicar surra na apática Carla Esparza.