Aposte nisso: GP do Brasil será emocionante

liviooricchio

21 Outubro 2006 | 19h50

Felipe Massa fez a festa da torcida, hoje em Interlagos, ao conquistar brilhantemente a pole position do 35.º GP do Brasil. “Estou mais feliz por essa gente que por mim mesmo”, disse o piloto da Ferrari, com seu macacão verde e amarelo. E amanhã as chances de completar a alegria da maior parte das 65 mil pessoas que vai lotar o autódromo, para assistir à decisão do Mundial e a última corrida de Michael Schumacher, são grandes. Massa é o favorito, destacado, para vencer a prova.

Fernando Alonso, da Renault, ria como Massa, hoje: Michael Schumacher, da Ferrari, teve outro problema mecânico e vai largar apenas em 10.º. O espanhol é o 4.º no grid. “Estou mais relaxado. Esperava largar atrás do Michael.” O alemão saiu para disputar a última sessão de classificação e ainda na saída dos boxes perdeu velocidade. “Foi a bomba de gasolina”, explicou depois Schumacher. “Pecado, certeza de que faríamos 1.º e 2.º hoje.” Foi a segunda quebra seguida, embora não vá perder 10 posições no grid. Seu time apenas substituiu a bomba, não o motor.

O discurso do 2.º colocado no grid, Kimi Raikkonen, da McLaren, dá o tom, no entanto, do que pode acontecer, amanhã, ao longo das 71 voltas do GP do Brasil. “A Ferrari tem um carro muito mais rápido que todos em Interlagos.” O companheiro de Massa em 2007 no time italiano registrou um tempo 619 milésimos de segundo pior que o de Massa. “Em condição de corrida não há como enfrentá-los nessa pista”, falou o finlandês.

É por isso que quem já está celebrando o bicampeonato de Alonso pode se decepcionar. Os 4.309 metros de Interlagos permitem ultrapassagens e Schumacher, com um carro tão rápido como está a Ferrari, tem condições de surpreender Alonso. Apesar de Schumacher reiterar, hoje, sua intenção de “apenas” lutar pelo título de construtores, o espanhol e a Renault que se cuidem. Alonso não irá criar nenhuma dificuldade para o piloto da Ferrari o ultrapassar, necessita apenas do oitavo lugar, e lá na frente Massa, menos ainda.


Se ocorrer de Schumacher chegar ao segundo lugar e Massa estiver liderando, mesmo que Alonso esteja classificado dentre os que marcam pontos, haverá a troca Massa-Schumacher. A Ferrari não correrá o risco de, de repente, na última volta, o piloto da Renault ter uma pane, não cruzar a linha de chegada. Os italianos perderiam o campeonato. “Só vou permitir que o Schumacher me ultrapasse se for mesmo necessário”, explicou Massa. Uma frase dele, hoje, revela bem o que pensa: “Prefiro vencer eu no início (de carreira) e na minha corrida de casa que o Michael na despedida.” Ao largar apenas do 10.º lugar, Schumacher garante, de saída, fortes emoções para amanhã.

Rubens Barrichello, da Honda, pilotou como sempre faz em Interlagos e levou um carro difícil de conduzir ao 5.º lugar. Seu companheiro, Jenson Button, com problemas eletrônicos, vai largar apenas em 14.º. “Com o equipamento que tenho, a 5.ª colocação é muito boa.” Como Massa, elogiou o comportamento do bom público nas arquibancadas: “Será maravilhoso se tivermos 2 brasileiros entre os 3 primeiros.” Lutará por seu primeiro pódio na temporada.

Antes da largada, quando os carros estiverem já alinhados, Schumacher sairá da 10.ª posição no grid e irá até a linha de chegada. Lá, Pelé o aguardará com o troféu que Bernie Ecclestone, a organização do evento e a Rede Globo lhe oferecerão, em reconhecimento pelo excepcional trabalho do piloto de maior sucesso na história da Fórmula 1. A corrida, amanhã, começa às 14 horas e a Rede Globo a trasmite ao vivo.