Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes

Esportes » Boullier: "50% de chance para Massa e 50% para Hulkenberg".

Velocidade

liviooricchio

16 Setembro 2013 | 12h28

16/IX/13
Nice

Amigos, bati produtivo papo com um grande amigo francês, profissional próximo de Eric Boullier, o diretor da Lotus.
Dessa conversa e da minha percepção dos fatos produzi o texto a seguir. É uma análise dos pós e contras dos dois candidatos a substituir Kimi Raikkonen. Nada impede, porém, de à última hora aparecer alguém novo na história e a Lotus escolher outro piloto. A Fórmula 1 é assim.

Você deve ter outros enfoques além dos abordados. Vamos ampliar a discussão. Exponha-os!

O texto a seguir e outros de F-1 podem ser encontrados também no portal www.estadao.com.br

Abraços!

O texto:

O engenheiro francês Eric Boullier, chefe da Lotus, bem como o proprietário da equipe, o luxemburguês Gerhard Lopez, de origem espanhola, analisam qual a melhor opção de piloto para a escuderia, em 2014, diante da transferência do competente Kimi Raikkonen para a Ferrari.

São duas, apenas, as opções, ao que se sabe: Nico Hulkenberg, da Sauber, alemão de 25 anos, e exatos 50 Gps de experiência, com passagem por Williams, Force India e Sauber, sendo uma quarta colocação em Spa-Francorchamps, no ano passado, com Force India, seu melhor resultado. Tem uma pole position, obtida em Interlagos, com Williams, em 2010. Características de Hulkenberg: veloz, regular, inteligente, respeitado e estimuladíssimo a mostrar seus dotes numa organização melhor das que competiu até hoje.

A outra opção da Lotus é Felipe Massa, da Ferrari, paulista de 32 anos, 184 Gps, 11 vitórias, 15 poles e vice-campeão do mundo de 2008, pela Ferrari. Características de Massa: veloz, nos últimos três anos menos regular que nas temporadas passadas, e tanto quanto Hulkenberg animado a demonstrar ser ainda o piloto capaz de lutar pelas vitórias. Tanto o piloto quanto seu empresário, Nicolas Todt, atribuem à condição de segundo piloto na Ferrari, estabelecida desde a chegada de Fernando Alonso, em 2010, a sua falta de melhores resultados desde então.

Hulkenberg apresentou no currículo a Boullier e Lopes a capacidade de explorar ao máximo a possibilidade de obter uma conquista quando a oportunidade surge, mesmo numa equipe de recursos limitados. Na classificação para o GP do Brasil, em 2010, arriscou com pneus para pista seca e surpreendentemente ficou em primeiro, num brilhante trabalho. Em Monza, há dez dias, conseguiu excelente terceira colocação no grid enquanto até então o máximo que o modelo C32-Ferrari da Sauber lhe havia permitido era o nono lugar na classificação do GP do Canadá.

Em corrida, também no veloz traçado italiano mostrou sua eficiência de tirar o máximo do equipamento ao receber a bandeirada em quinto, a apenas 10 segundos e 355 milésimos do vencedor, Sebastian Vettel, da Red Bull. Sua melhor colocação este ano havia sido a oitava em Sepang, na Malásia. A Sauber errou no projeto do C32.

O fato de não ter tido, ainda, uma oportunidade numa escuderia vencedora não lhe permitiu demonstrar seu real valor: se é um piloto capaz de vencer corridas e até, com um pouco mais de experiência e o carro certo, pensar em título, ou apenas um piloto rápido e com potencial para em situações específicas se dar bem, como as de Interlagos, em 2010, e este ano, em Monza. Essa dúvida Boullier e Lopes têm na cabeça.

Experiência vai contar mito

O currículo de Massa é bem mais rico. Principal ponto de interesse da Lotus: a vasta experiência numa organização vencedora, campeã, a Ferrari. É um grande ponto a seu favor. A mudança radical no regulamento técnico, em 2014, tende a privilegiar pilotos com maior experiência. E tende a ajudar o time a compreender mais rapidamente os desafios das novas regras e fazê-lo crescer da mesma forma num menor espaço de tempo.

Do fim do campeonato, dia 24 de novembro, no Brasil, até dia 8 de março de 2014, sábado, data do embarque dos carros para a abertura do Mundial, na Austrália, estará em curso nas escuderias o mais intenso programa de experimentos técnicos da história da Fórmula 1, tal a natureza complexa da reintrodução do motor turbo, os dois sistemas de recuperação de energia (kers) e a severa limitação no consumo de combustível, cerca de 30% a menos de hoje, dentre outras substanciais alterações no regulamento. Serão ensaios no simulador, sem interrupção, já que a pré-temporada terá apenas 12 dias de testes.

Por tudo o que viveu nas suas três temporadas como titular da Sauber, 2002 e 2004 e 2005, uma como piloto de testes da Ferrari, 2003, e depois nas oito, de 2006 até hoje, como titular na Ferrari, Massa tem condições de poder ser mais útil ao projeto de Boullier e Lopez de voltarem a ser campeões.

A Lotus F1 é, na realidade, a ex-equipe Renault, campeã em 2005 e 2006, com Fernando Alonso, que, por sua vez, era a ex-Benetton, campeã com Michael Schumacher, em 1994 e 1995.

“Em 2014, a experiência contará mais que a velocidade”, afirmou Boullier, ao Estado, este ano, na Malásia, quando provavelmente ainda nem lhe passava pela cabeça perder Kimi Raikkonen.

Oportunidade de business

Outro fator capaz de interferir a favor de Massa, além da experiência: Lopez é um homem de negócios, titular do grupo Genii, com atuação da área de gerenciamento de investimentos, de marcas, tecnologia, consultoria financeira, com particular interesse em mercados emergentes, como o Brasil, dentre outros.

A contratação de Massa seria uma porta aberta para a realização de negócios dessa natureza no Brasil, poderia ajudar a viabilizá-los. São esses acordos mantidos em várias nações pelo grupo Genii que o fazem investir cerca de 100 milhões de euros (R$ 300 milhões) por ano no seu projeto de Fórmula 1, cujo objetivo, em essência, é potencializar novos negócios, definindo um ciclo.

Diante do interesse explícito de a Rede Globo contar com um piloto brasileiro na Fórmula 1, a emissora provavelmente estuda mecanismos de poder catalisar esses negócios, assim atenderia a todos os interesses: os seus próprios, os de Massa e os de Lopez. A Alemanha, de Hulkenerg, representa, nesse sentido, um interesse muito menor para o luxemburguês. A possibilidade de negócio com um grupo brasileiro é bem mais elevada.

Independentemente de poder realizar um grande negócio no Brasil, tende a ser mais fácil para Lopez convencer um patrocinador a investir na Lotus tendo Massa como piloto do que Hulkenberg. O cartão de visita com a presença de um vice-campeão do mundo e uma década de vivência na Ferrari tem mais lastro que a aposta num piloto apenas de futuro. Que inegavelmente pode ser brilhante. Mas não se sabe, ainda.

Isso para não mencionar que a Renault, fornecedora do motor e dos dois sistemas de recuperação de energia da Lotus, tem importante participação no mercado brasileiro de veículos, um dos maiores do mundo. Boullier e Lopez tentam convencer a Renault a ter um envolvimento mais ativo na Lotus, vê-la como uma parceira, nos moldes do que faz com a Red Bull, e não apenas uma cliente que paga pelo motor e kers. A chegada de Massa teria um efeito sinérgico nesse projeto.

A vez do peso pesado

Está prestes a entrar em cena, agora, outro componente dessa história, e com peso também para deslocar a decisão para o lado de Massa: Bernie Ecclestone. Em termos de promoção para o seu show, ele já conta com um alemão notável, Sebastian Vettel. Se pudesse escolher pura e simplesmente baseado nesse critério, preferiria um piloto de outra nacionalidade para uma equipe potencialmente capaz de lutar pelas vitórias. E dentro do seu intrincado mosaico de interesses, o Brasil está dentre os de maior destaque.

A corrida de Interlagos é uma das mais rentáveis do calendário para a Fórmula 1. A relação com a Globo remonta ao período em que o inglês de 82 anos trouxe a Fórmula 1 ao Brasil, ainda em 1972. Formam uma importante parceria. Mais: a esposa de Ecclestone, Fabiana Flosi, é brasileira, o que não deixa de ser outro ponto a favor.

Seria surpreendente se a essa altura o homem-forte da Fórmula 1 já não tivesse conversado com Boullier e Lopez sobre sua preferência a respeito da escolha, Massa ou Hulkenberg.

Boullier sabe que do ponto de vista esportivo os dois pilotos se apresentariam com a faca entre os dentes, pelos motivos já mencionados: por a Lotus ser a primeira real chance de Hulkenberg mostrar serviço e Massa de demonstrar que, sem a âncora da Ferrari, onde era obrigado a primeiro atender os interesses de Alonso depois os seus, tem condições ainda de ser um vencedor, como já foi na Fórmula 1.

Contra Massa pesa e muito as irregularidades dos últimos anos que, na cabeça dos homens da Fórmula 1, dentre eles Boullier e Lopez, não podem ser integralmente explicadas pela submissão compulsória na Ferrari. Seu índice de erros por vezes se eleva desproporcionalmente, a exemplo deste ano, em quatro provas seguidas, Mônaco, Canadá, Grã-Bretanha e Alemanha, quando somou apenas 12 pontos diante de 51 de Alonso. Esse fator poderá ser decisivo, em especial porque o outro provável piloto da Lotus em 2014 deverá ser o francês Romain Grosjen, cuja regularidade não é o seu forte também.

Assim como Boullier disse ao Estado que “em 2104 experiência contará mais que velocidade” é bem verdade que afirmou também: “Regularidade será mais importante que velocidade”.

Essa dúvida a respeito de Massa, se pode ser regular novamente, tão essencial em 2014, está na cabeça de Boullier e Lopes, como aquela sobre o verdadeiro potencial de Hulkenberg.

É por todas essas razões que Boullier confessou a um amigo seu, fonte do Estado, há dias, apenas: “As chances são de 50% para cada um, Massa e Hulkenberg”. E seja quem for o escolhido, o contrato poderá até ser de dois anos, mas ao final do primeiro a opção de renovar ou não para o campeonato seguinte será de Boullier e Lopez, quando já terão a resposta a suas dúvidas sobre ambos.

Encontrou algum erro? Entre em contato