F-1 muda e muda muito em 2007

liviooricchio

18 Outubro 2006 | 20h14

Poucas vezes na história a Fórmula 1 teve alterações tão radicais no seu regulamento esportivo como o que ocorrerá na próxima temporada. As próprias equipes chegaram a um acordo quanto às severas restrições nos testes particulares e hoje o Conselho Mundial da FIA, reunido em Barcelona, homologou importantes modificações no programa das sexta-feiras.

De 1.º de janeiro a 31 de dezembro, cada time poderá realizar 30 mil quilômetros de testes, o que, na prática, significará apenas 18 dias de testes. Bem diferente dos 48 deste ano. Haverá limitações de pneus também: 300 jogos por escuderia. Vale lembrar que as equipes devem, no início de março, entregar à FIA os motores com que disputarão os quatro mundiais seguintes. Esses motores serão homologados e quase nada poderá ser modificado neles. Além de receber um limitador regulado em 19 mil rotações por minuto.

Essa restrição drástica no número de dias de testes deve-se ao fornecimento de uma única marca de pneus para todos, Bridgestone, e à impossibilidade de desenvolvimento dos motores. Terá profundas implicações no andamento do campeonato. Se essa regra valesse hoje, a Ferrari não teria reagido a ponto de lutar pelo título com a Renault.

Os treinos de sexta-feira terão uma hora e meia de manhã e uma hora e meia à tarde. O motores das sextas-feiras podem ser outros dos usados no sábado e no domingo, embora continue valendo a regra de um motor para dois GPs. Deixam de existir os terceiros carros às sextas-feiras, apesar de ser facultado o uso de pilotos que não sejam os titulares. Jovens, pilotos de testes, por exemplo. Hoje cada piloto dispõe de 10 jogos de pneus para o fim de semana de corrida. A partir de 2007, serão 14, mas 4 só podem ser empregados às sextas-feiras.

No calendário divulgado hoje, a Austrália abre o Mundial de 2007, dia 18 de março, enquanto o Brasil encerra, dia 21 de outubro. Sai a prova de Ímola, o GP de San Marino, ao menos por enquanto, e o GP da Europa, apesar de o GP da Alemanha se transferir de Hockenheim para o circuito de Nurburgring. A corrida da Bélgica volta ao Mundial. Com isso, a temporada terá 17 etapas e não 18, como hoje.