Incrível, Lewis Hamilton errou!

liviooricchio

24 Maio 2007 | 15h25

24/V/07
GP de Mônaco
Livio Oricchio, de Mônaco

Início

Lewis Hamilton, estreante este ano na Fórmula 1 e líder do campeonato, deve ter dado graças a Deus, ontem, por hoje não haver programação de pista no GP de Mônaco, como manda a tradição. Assim, poderá refletir sobre o erro cometido ontem, na sessão livre da tarde, incrivelmente o seu primeiro na temporada.

Mesmo perdendo mais de meia hora de treino em razão do acidente, terminou em bom terceiro lugar, 1min16s296. Seu companheiro de McLaren, o bicampeão do mundo, Fernando Alonso, foi o mais veloz, 1min15s940. E sua satisfação por ser, finalmente, mais rápido que o jovem parceiro e Felipe Massa e Kimi Raikkonen, a dupla da Ferrari, era evidente.

Com os pilotos normais, disputar um GP sem erros já é motivo de celebração na Fórmula 1. Mas como Hamilton além de não cometer um único equívoco nas quatro etapas realizadas chegou ao pódio em todas e lidera o Mundial, leves acidentes como o de ontem viram notícia. Havia até uma espécie de aposta na Fórmula 1: quando Hamilton iria errar. Foi ontem. E sua avaliação imprecisa só apareceu por se tratar do circuito de Mônaco, em que as grades de proteção encontram-se ao lado da pista.

Com 57 minutos de treino, na freada da curva Sainte Dévote, no fim da reta dos boxes, Hamilton perdeu o controle da McLaren e colidiu contra a barreira, danificando a suspensão dianteira esquerda, principalmente. “Devo pedir desculpas a minha equipe. Sei que darei trabalho extra aos mecânicos. Até bater tudo ia muito bem, meus tempos eram bem competitivos.”

Todos desejavam saber detalhes do primeiro erro de Hamilton. “Cometi um pequeno equívoco na freada da Sainte Dévote. A traseira do carro escapou um pouco e em Mônaco não há espaço para erros.” Chegou aos boxes um tanto diferente das outras vezes, mas seu preparo como piloto, ao longo de dez anos de assessoria da McLaren, incluiu assimilar situações adversas.

“Pilotar um Fórmula 1 em Mônaco é bem diferente de um carro da Fórmula 3 ou GP2”, disse. Hamilton venceu nas duas categorias no principado. Nenhum piloto teve início de carreira na Fórmula 1 tão extraordinário quanto o jovem inglês de 22 anos.

O desempenho da McLaren serviu de aviso para a Ferrari. O time da Mercedes deu mostra de poder lutar amanhã pela pole position e a vitória, domingo. A expressão de Alonso, ontem, contrastava com a de revoltado, depois da corrida de Barcelona, em que perdeu a liderança do campeonato para Hamilton. “Realizamos os tradicionais testes com pneus duros e moles, no primeiro dia, e vimos que o carro está rendendo bem, fizemos progressos.” Sua previsão é otimista: “Aqui lutaremos pelos melhores resultados.” A Ferrari conquistou até agora as quatro poles.

Desta vez Raikkonen esteve melhor que Massa, ao obter o segundo tempo, 1min16s215, apenas 215 milésimos pior que Alonso. Massa culpou o tráfego para explicar o sexto tempo, 1min16s784, a 844 milésimos do espanhol da McLaren e a 569 milésimos do companheiro. O finlandês não se mostrou impressionado com a McLaren dominando tanto a sessão da manhã quanto a da tarde. “A pista costuma mudar muito de quinta-feira para sábado”, lembrou.

Nos circuitos de rua o acúmulo de borracha no asfalto faz com que a aderência aumente significativamente. Carros muito velozes num dia podem perder eficiência depois.E vice-versa. Isso tudo se não chover. A previsão meteorológica indica mudança nas condições do tempo no fim de semana. Ontem, a temperatura atingiu 29 graus. O que parece ter ficado claro depois do primeiro dia de treinos da quinta etapa do calendário, ontem, é: será mais difícil para a Ferrari vencer. Os italianos ganharam três das quatro provas já disputadas.

FIM