Massa e Raikkonen, a dupla da Ferrari

liviooricchio

10 Setembro 2006 | 16h05

Algumas semanas depois de Fórmula 1 regressar à Europa, em seguida às provas dos Estados Unidos e do Canadá, os rumores começaram a chegar ao paddock: a dupla da Ferrari, para as duas próximas temporadas, seria Kimi Raikkonen, já de contrato assinado com os italianos, e Felipe Massa, já que Michael Schumacher teria comunicado a Jean Todt, diretor-geral da Ferrari, sua decisão de abandonar as pistas. Hoje um comunicado simples, curto, como é o padrão do time de Maranello, confirmou tudo: Raikkonen será o piloto da Ferrari nos três próximos campeonatos e Massa, pelo menos em 2007 e 2008.
“A renovação do meu compromisso apenas comprova o quanto evoluí como piloto este ano. Meu companheiro é o melhor do mundo e, regularmente, estou sempre perto dele e até na frente”, disse Massa. Michael Schumacher rasgou elogios a Massa e comentou não fazer sentido estender por mais tempo sua decisão por conta de não atrapalhar seu futuro. “É um piloto de grande talento, um amigo. Ele precisava saber o que eu iria fazer da vida. Felipe tinha a possibilidade de prosseguir na Ferrari. E foi o que fiz”, explicou Schumacher.
“A palavra amigo é pesada, sei disso, mas posso empregá-la. O Michael é meu amigo, sei que se expressou dessa forma e foi sincero, só tenho a lhe agradecer. Eu aprendo muito com ele.” Dentre o que o alemão mais lhe passou está como tirar o máximo do carro em cada momento da corrida, explicou. “Nem foi no aspecto velocidade, mas na constância durante a prova, o que me faltava.”
Agora seu desafio será Kimi Raikkonen. Os dois são, também, amigos. Moraram próximos na Suíça e tiveram a mesma origem na Fórmula 1, a equipe Sauber. “O Kimi não é nada disso que parece, é muito divertido. Sai com ele à noite para você ver”, repetiu, hoje, o que já dissera Massa.
O finlandês não poderia ter sido mais explícito ao comentar sua transferência da McLaren para a Ferrari: “Já deveria ter sido campeão. Vou tentar ano que vem.” Não deu detalhes de quando acertou com a Ferrari. Sabe-se que remonta a antes da metade do campeonato. Desmentiu ter tido contato com a Renault. “Na realidade tive duas opções, a Ferrari ou prosseguir na McLaren, mas, depois de cinco ano na McLaren, estou indo a outra grande equipe.” Substituir o maior vencedor de todos os tempos não representa nenhuma pressão extra: “A Ferrari é uma ótima organização para se correr, não sentirei essa pressão. Espero muito de mim também.”
Luca di Montezemolo, presidente da Ferrari, falou da contratação. “Eu fui, ao acaso, a Mugello, no fim de 2000, e naquele dia Michael me perguntou sobre um menino que fazia seu primeiro teste pela Sauber. Causou tão boa impressão que o acompanhamos desde então. Era Kimi.” Os anos na Sauber e na McLaren comprovaram o que Montezemolo esperava dele. “Kimi tem o perfil do piloto capaz de fazer sucesso na Ferrari. É frio, tem autodefesa para suportar tudo que lhe cobram por ser piloto da Ferrari. Penso que com Massa fará uma dupla das mais fortes da Fórmula 1.”