Massa: pneu furado tira a chance de vitória

liviooricchio

08 Outubro 2006 | 10h52

A pole position e a velocidade do carro da Ferrari levaram até sua equipe acreditar que, no caso de Michael Schumacher por alguma razão não vencer, Felipe Massa estaria lá a fim de impedir Fernando Alonso, da Renault, de conquistar a vitória. Não foi o que aconteceu. Schumacher abandonou por causa da quebra do motor, mas quem chegou em primeiro foi Alonso. Massa, apenas em segundo.
“Minha corrida acabou comprometida pelo furo no pneu traseiro direito. Eu deveria fazer meu primeiro pit stop na 16.ª volta, mas a equipe me chamou na 13.ª por detectar a perda de pressão no pneu”, explicou. “Dei azar de voltar à pista atrás do Nick Heidfeld (BMW), bem mais lento, mas eu não tinha como ultrapassá-lo.” O tempo perdido permitiu que Alonso fizesse seu pit stop na 15.ª volta e regressasse ao circuito na frente de Massa, assumindo o segundo lugar na prova.
“Ainda tentei aumentar meu ritmo para tentar ganhar a posição de Alonso na segunda parada. Ocorre que meus pneus começaram a soltar borracha (graining), em seguida a deixar os boxes depois do primeiro pit stop, e, em vez de me aproximar, Alonso ganhou espaço.” A diferença atingiu 10 segundos e 594 milésimos na 34.ª volta, uma antes de Massa realizar seu segundo pit stop. Não havia mais chance de tentar um ataque a Alonso.
Os 8 pontos no GP do GP do Japão levaram Massa a reassumir o terceiro lugar no Mundial de Pilotos, com 70 pontos, enquanto Giancarlo Fisichella, com a terceira colocação, ontem, soma 69. Kimi Raikkonen, McLaren, quinto colocado em Suzuka, possui 61 e ainda tem possibilidades de, em Interlagos, terminar o campeonato em terceiro. Massa comentou o que pode fazer no GP do Brasil, agora que Michael Schumacher praticamente deu adeus ao título. “Acho que aumentou, sim, minha chance de ganhar a corrida, o que seria um sonho para mim, mas precisamos ver como o Alonso estará na prova.”
Rubens Barrichello, da Honda, tocou seu aerofólio dianteiro numa roda da BMW de Nick Heidfeld na primeira curva depois da largada e foi obrigado a entrar no box. Com um pit stop a mais da maioria, não foi além da 12.ª colocação. “Ele não me deixou espaço, fechou a porta violentamente”, disse Rubinho. Jenson Button, o companheiro, deu-se melhor. Largou em sétimo e obteve ótima quarta colocação. Button, sexto no Mundial, tem, agora, quase o dobro de pontos de Rubinho (sétimo), 50 a 28.