McLaren confirma favoritismo em Mônaco: Alonso larga na pole e Hamilton em segundo

liviooricchio

26 Maio 2007 | 15h59

26/V/07
GP de Mônaco
Livio Oricchio, de Mônaco

Início

O vice-líder e líder do Mundial largam hoje na primeira fila do GP de Mônaco, quinta etapa da temporada. Fernando Alonso, 28 pontos, estabeleceu a pole position, ontem na sessão classificatória, com 1min15s726, enquanto Lewis Hamilton, 30, inicia a competição ao seu lado.

Diante da quase impossibilidade de ultrapassar da pista, as chances de os dois abrirem maior vantagem no campeonato são, em condições normais, boas.

Resignado diante da esperada maior velocidade da McLaren nos sinuosos 3.340 metros de Mônaco, Felipe Massa, da Ferrari, afirmou: “Eles estão muito rápidos. Tenho de correr com a cabeça, somar o maior número de pontos que der.” Massa é o terceiro no Mundial, com 27 pontos. Mas deu um passo importante para distanciar-se do seu parceiro, Kimi Raikkonen, 22.

O finlandês cometeu erro grosseiro ao bater, por dentro, na curva da Piscina. Sai apenas da 16ª colocação no grid. “Aqui paga-se caro pelo mais leve equívoco.” Os pilotos costumam colidir contra a grade na saída da curva da Piscina. Não se espera de um piloto de Fórmula 1 tocá-la por dentro, como fez Raikkonen.

A meteorologia prevê boas possibilidades de chuva na hora da largada da corrida, 9 horas, com transmissão ao vivo pela TV Globo. Ontem, uma leve chuva chegou a cair no final da classificação, mas sem comprometer o resultado.

A esperança de Massa para encostar um pouco mais em Hamilton e Alonso é uma eventual luta entre ambos. A McLaren não impõe que um deva facilitar a vida do outro e os dois disputam abertamente a liderança do campeonato.

“Fomos os mais velozes até agora no fim de semana, acredito que estamos em grande forma aqui”, disse Alonso. Mas falou mais: “Espero, sim, uma posição da nossa equipe quanto à largada.”

O espanhol deseja que Ron Dennis defina que, por ele estar na pole position, não sofra o ataque de Hamilton, ao menos na primeira curva, Sainte Dévote. “Não faz sentido arriscar tudo, serei mais conservador”, adiantou o inglês.

Hamilton, no entanto, comentou confiar na sua estratégia, o que sugere que está com mais gasolina. Daí também ter ficado atrás de Alonso. Até então era quase sempre mais veloz. O mais jovem piloto a liderar o Mundial de Fórmula 1 pode ultrapassar Alonso no pit stop. É sua aposta.

Massa mostrou-se consciente de que lutar pela vitória não deverá ser possível em Mônaco. “Tudo pode acontecer nessa prova. Se chover, fica ainda mais imprevisível. Como de manhã fui muito rápido na chuva, se tivermos piso molhado na corrida não será ruim.”

Trata-se de uma novidade: Massa não é um grande fã de chuva. Mas esteve sempre dentre os mais rápidos, de manhã, no molhado. O fato de as duas próximas etapas do calendário serem em pistas mais favoráveis à Ferrari, Montreal e Indianápolis, acaba por ser levado em conta em Mônaco, admitiu.

Se existe uma pista que Giancarlo Fisichella, da Renault, se supera é a de Mônaco, conforme seu bom quarto tempo, ontem, atesta. Foi segundo na prova em 1998 e terceiro em 2000. A dupla da BMW pode se dar bem. Larga com mais gasolina, vai estender sua permanência na pista além da maioria. Nick Heidfeld é o sétimo e Robert Kubica o oitavo no grid.

Rubens Barrichello conseguiu, pela primeira vez, este ano, passar para a parte final do treino, onde os dez mais velozes lutam pelas 10 melhores colocações. “A Honda deu um passo à frente”, falou. Rubinho larga em nono e seu companheiro, Jenson Button, em décimo.

FIM