Nelsinho no futuro da Renault

liviooricchio

06 Setembro 2006 | 14h42

A concorrência com o anúncio dos pilotos da Ferrari e o futuro de Michael Schumacher, domingo em Monza, seria mesmo desleal, por isso a Renault decidiu divulgar, já hoje, a sua formação para a temporada 2007. Seus titulares serão Giancarlo Fisichella e o jovem talentoso finlandês Heikki Hovalainen, atual piloto de testes. Mas Nelsinho Piquet, com chances ainda de ser campeão da GP2, no fim de semana na Itália, faz parte dos planos do time francês, campeão do mundo com Fernando Alonso. Nelsinho ocupará a vaga de Kovalainen como piloto de testes, ao lado do também brasileiro Ricardo Zonta.
A confirmação da dupla da Renault é apenas mais uma peça do quebra-cabeça que se transformou a definição do quadro de pilotos e equipes da Fórmula 1 em 2007. A oficialização da dupla da Renault lança sobre o anúncio da Ferrari, domingo, uma certeza: Kimi Raikkonen, hoje na McLaren, vai correr pelo time de Maranello, como há muito se comentava. E, nesse sentido, hoje o jornal alemão Bild publicou que Michael Schumacher irá mesmo anunciar, no GP da Itália, sua aposentadoria das pistas. Todos os indícios caminham para isso.
Assim, Kimi Raikkonen e Felipe Massa irão compor a dupla da Ferrari em 2007, o que também não é grande novidade. O bom dessa história é que Massa, sem Schumacher na Ferrari, tem chances boas de conquistar mais vitórias e, quem sabe, disputar o título, coisa que o Brasil não faz desde 1993, quando Ayrton Senna, na McLaren, lutou com Alain Prost, da Renault.
A base dos fantásticos resultados da Renault na Fórmula 1 nos dois últimos anos foi a sua estrutura técnica, coordenada por Bob Bell, seu excepcional piloto, Fernando Alonso, e a liderança incontestável do grupo por Flavio Briatore. Hoje o italiano também divulgou que permanece na organização francesa por mais dois anos. Bob Bell, o desenhista-chefe, Tim Denshan, e o chefe de engenharia, Pat Symonds, da mesma forma ficam onde estão. Sai Alonso, de contrato assinado com a McLaren. É um duro golpe, com desdobramentos diretos nos resultados do ano que vem. Com o inexpressivo Fisichella, ao menos num time vencedor, e o pouco experiente Kovalainen, a Renault terá imensas dificuldades para manter-se na primeira colocação, como hoje, no Mundial de Pilotos e Construtores.
Briatore sabe disso e está apostando no futuro. A escolha natural para a sua dupla em 2007 é Kovalainen e Nelsinho, dois jovens egressos da GP2. O finlandês foi vice-campeão, em 2005, e o brasileiro está em segundo, mas pode nas duas etapas finais, em Monza, sábado e domingo, ultrapassar Lewis Hamilton na classificação e ser campeão. Zonta, na Toyota desde 2003, foi contratado por causa da experiência na Fórmula 1, onde está desde 1999, e pelo fato de este ano seu time competir com pneus Bridgestone, marca de todas as escuderias em 2007. Hoje a Renault utiliza Michelin.
“É uma nova fase na minha carreira”, disse Nelsinho, piloto em notável evolução. Curiosamente ele entra na Fórmula 1 pela mesma equipe em que seu pai, Nelson Piquet, três vezes campeão, a deixou. O último campeonato de Nelson foi o de 1991, pela Benetton, organização adquirida pela Renault. “Conheço o Kovalainen da GP2, o Zonta é meu amigo e o Fisichella tem muita experiência, poderei aprender bastante”, comentou Nelsinho. Ele chega à Fórmula 1 aos 21 anos, depois de ser três vezes campeão brasileiro de kart, campeão sul-americano de Fórmula 3, em 2002, e campeão britânico também de Fórmula 3, em 2004.