Raikkonen estraga a festa de Schumacher

liviooricchio

09 Setembro 2006 | 12h03

Michael Schumacher e a torcida da Ferrari já quase comemoravam a sua pole position, hoje em Monza, provavelmente a última do alemão no GP da Itália, quando Kimi Raikkonen, da McLaren, cruzou a linha de chegada 35 segundos depois e fez 1min21s484, tempo 2 milésimos de segundo melhor que o de Schumacher. “Amaria estabelecer a pole aqui, na corrida de casa, mas não deu. O mais importante é que temos um carro muito constante para amanhã. Estou bastante tranquilo.” Claramente deu a entender estar com mais gasolina de Raikkonen. O finlandês da McLaren reconheceu que terá dificuldades, amanhã, para manter-se em primeiro. “Não será fácil.”
Se os treinos da semana passada e as sessões livres da prova em Monza,ontem e hoje, já demonstravam que a Ferrari seria mais veloz que seus adversários, agora com Fernando Alonso, da Renault, largando em quinto, Schumacher pode, de fato, amanhã, reduzir a diferença de 12 pontos que o separa do espanhol na liderança do campeonato, 108 a 96. Alonso teve o pneu traseiro direito dechapado, o que o atrapalhou de conseguir um melhor resultado. “Considerando-se meus problemas, esse quinto lugar está muito bom.” Pedaços do pneu danificaram a carenagem da sua Renault, afetando o conjunto aerodinâmico.
Felipe Massa estava furioso com Alonso. Na sua última tentativa, encontrou o espanhol pela frente, bem mais lento, ainda que um pouco distante, na volta de aquecimento de pneus. “Perdi tempo com ele, uns três décimos”, afirmou. Massa dominou todos os treinos até então. Com o ocorrido, fez 1min21s704, quarto tempo. “Dava para largar na primeira fila.” Como Schumacher, Massa aproveitou-se da maior velocidade da Ferrari para abastecer seu carro com mais gasolina. O alemão Nick Heidfeld, da BMW, comprovou o bom rendimento da equipe na prova até então e obteve o terceiro lugar, 1min21s653. “Fomos mal nos treinos da semana passada. O circuito foi recapeado e os pneus que a Michelin trouxe para cá tiveram problemas. Mas foram, pelo visto, resolvidos agora.”
A direção da equipe Honda decidiu deixar de lado a versão 2007 do seu motor, que estreou ontem e quebrou. Como Rubens Barrichello e Jenson Button não deixaram os boxes, a substituição do motor não lhes causou a perda de dez posições no grid. Hoje Button registrou, na classificação, o sexto tempo e Rubinho, o nono. “Não são posições ruins considerando-se que não treinamos ontem”, explicou Rubinho. A decepção do treino foi o décimo lugar de Giancarlo Fisichella, da Renault. Alonso vem reclamando, com razão, de que ele corre sozinho contra Schumacher, enquanto o alemão tem Massa para ajudá-lo.