Renault faz duras acusações à FIA

liviooricchio

10 Setembro 2006 | 16h02

Depois da punição a Fernando Alonso, ontem, na classificação, Flavio Briatore, diretor da Renault, convidou a imprensa, hoje de manhã, para assistir num telão, dentro do motorhome da equipe, às imagens do ocorrido. Junto dele estava Alonso. “Alguém viu alguma irregularidade?” questionou. Os comissários impuseram a perda dos três melhores tempos ao espanhol por, supostamente, ter atrapalhado Felipe Massa, da Ferrari, na sua volta lançada, o que o fez largar em décimo em vez de quinto. “Para mim, a Fórmula 1 não é mais um esporte”, afirmou Alonso.
Pouco antes de iniciar o encontro, Briatore, que não esconde o que pensa, também foi duro: “Se vencermos o campeonato, será uma vitória contra o sistema.” E logo em seguida à corrida, em que Michael Schumacher descontou 10 pontos em relação a Alonso na classificação, e a Ferrari assumiu a liderança entre os construtores, Briatore deixou mais clara sua marca: “Eles fizeram tudo para Michael vencer. E conseguiram. Nós podemos apenas praticar esse esporte, mais que isso não. Decidiram que Michael deve ser o campeão. Perto disso, o escândalo do futebol italiano me faz rir.”
Alonso também falou: “Estou envergonhado. Não fosse o apoio que recebo de minha equipe não seu se teria coragem de prosseguir na luta.” A política interveio diretamente do resultado do GP da Itália, segundo o dirigente italiano, que tinha a cara amarrada como poucas vezes. “Verdade, quebrou o motor do nosso carro. Foi o primeiro no ano. E pode acontecer. O que não pode é o que aconteceu ontem, aqui mesmo. Alonso completou: “Minha esperança é que, no fim, os honestos vençam.”
Max Mosley, presidente da FIA, considerou a punição como “legítima.” Disse mais: “Este ano, Giancarlo Fisichella e Jacques Villeneuve receberam penas semelhantes pelo mesmo fato, não facilitar a volta dos pilotos que registravam seus tempos.” Mas concordou: “Pode ser que a regra tenha de ser revista, isso sim, porque involuntariamente um piloto pode atrapalhar o outro”, falou, deixando a entender que Alonso não teve mesmo a intenção de prejudicar Massa. A maioria dos pilotos riu da decisão dos comissários.
A Renault apresentou à FIA um dossiê, hoje, contendo fotos em que aparecem técnicos da Bridgestone, de máscara, sugerindo que tratassem quimicamente os pneus usados pela Ferrari, ação proibida pelo regulamento. O diretor de prova, Charlie Whiting, porém, afirmou no fim da tarde, ter ficado satisfeito com a explicação da Bridgestone. “Eles cortaram os pneus para suas habituais análises.” Em outras palavras, Schumacher venceu mesmo a corrida de Monza.