Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes

Esportes » Nada mudou no basquete feminino

Esportes

Nada mudou no basquete feminino

Esportes

BASQUETE

Nada mudou no basquete feminino

Ricardo Molina lutou (e continua lutando), mas esforço não teve nenhum efeito prático

0

Marcius Azevedo

14 Janeiro 2016 | 07h08

A seleção brasileira feminina está pronta para entrar em quadra para o primeiro jogo do evento-teste para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. O triste é ver que os resultados pouco importam neste momento. O Brasil tem totais condições de vencer Venezuela (sexta-feira), Argentina (sábado) e Austrália (domingo), mas, ao que tudo indica, nada vai mudar na modalidade.

O Colegiado de Clubes fez tudo o que pôde para atrair os olhares para o descaso da Confederação Brasileira de Basquete com o naipe feminino. Presidente do Corinthians/Americana, Ricardo Molina, líder do grupo de seis equipes que disputam a LBF, disparou milhões de e-mails, enviou ofícios para diversos órgãos, entre eles a Fiba, e não recebeu qualquer resposta.

O dirigente organizou um boicote ao evento-teste. A ausência das principais jogadoras da LBF era o ato principal da luta por melhores condições. Molina tinha certeza de que o Sampaio Basquete não iria impedir suas atletas de se apresentarem à seleção, mas não contava com uma traição. Clarissa, jogadora do Corinthians/Americana, optou por atender ao chamado do técnico Antonio Carlos Barbosa, que não alterou os nomes da lista do antecessor Luiz Augusto Zanon.

Barbosa comanda o time em amistoso no Rio de Janeiro (Divulgação)

Barbosa comanda o time em amistoso no Rio de Janeiro (Divulgação)

Molina não culpou Clarissa pela decisão, até porque é uma chance única de jogar uma Olimpíada no Brasil, mas ficou magoado. O dirigente preferiu se afastar um pouco dos holofotes. A batalha certamente continua e será árdua. O que fez ele esmorecer foi não ver um efeito prático em todo o esforço por mudanças.

A CBB ignorou completamente os contatos. A Fiba fez o mesmo. A sete meses para o início das Olimpíadas é difícil termos qualquer alteração do atual cenário. Bom ou ruim, cada lado tem uma opinião, o planejamento será praticamente aquele estabelecido lá atrás pelo diretor de seleções, Vanderlei Mazzuchini, e o então técnico, Luiz Augusto Zanon.

Molina aguarda para entrar em cena novamente e, pelo bem do basquete, espero que não demore muito tempo. O apontamento de irregularidades por parte da CGU (Controladoria-Geral da União) no uso da verba proveniente do convênio entre o Ministério do Esportes e CBB é uma boa oportunidade para o dirigente voltar ao front desta difícil batalha.

Comentários