As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pedala, Robinho!

Umas das principais surpresas da convocação de Dunga para os amistosos frente Chile e França no fim deste mês, o atacante do Santos poderá ter a chance de chutar para escanteio o preconceito de que jogador acima dos 30 anos está acabado.

Maurício Capela

05 Março 2015 | 15h38

Robinho está de volta à Seleção Brasileira. As boas atuações do atacante do Santos neste início de temporada, principalmente diante da Portuguesa e do Linense, devem ter convencido o técnico Dunga que o jogador ainda tem lenha para queimar na Amarelinha.

Indiscutivelmente, Robinho é dono de boa técnica. Uma técnica que poderia ter lhe rendido mais frutos, como brigar efetivamente pelo prêmio de melhor jogador do mundo. Mas talvez as transferências de futebol espanhol para inglês para italiano para brasileiro impediram que o jogador alcançasse tal patamar.

Mas o ideal é que nesse retorno à Seleção, algo que não acontecia desde o segundo semestre de 2014, Robinho pudesse notar que sua convocação simbolicamente pode ir além das quatro linhas. E colocar para escanteio uma máxima: a idade.

Aos 31 anos, o atacante do Santos poderá usar essa nova oportunidade dada por Dunga para ajudar a diminuir o preconceito em relação à eficiência dos “trintões” no futebol brasileiro. Por aqui, basta que o jogador ultrapasse a barreira dos 30 para ser taxado de velho e ultrapassado, como se essa fosse a idade limite para se praticar esse esporte em bom nível no mundo.

Pelo contrário! O que vale no moderno futebol não é a idade. É se o jogador é um atleta. Em outras palavras, se tem consciência de que seu talento vai sempre sobressair, desde que esteja em boas condições físicas.

Apesar de perfeito no discurso, o duro é colocá-lo em prática todo o santo dia, uma vez que exige comprometimento, dedicação e também o ato de abrir mão de determinadas situações na esfera social, como àquela esticadinha a mais nas convidativas noites das grandes cidades do Brasil e do mundo.

Robinho, que aparentemente, demonstra estar em boas condições físicas, portanto, tem a chance de colocar na roda esse jeito de o brasileiro observar o jogador “trintão”. E abrir caminho para que atletas mais maduros também tenham chance de figurar na Seleção, desde que aliem técnica e condicionamento físico.

Se for escalado e jogar bem diante de franceses e chilenos, o atacante do Santos não estará só dando uma pedalada no adversário. Estará driblando a lógica reinante e abrindo caminho em meio aos mais diversos argumentos de que jogador com mais de 30 já era. Passou! Ficou para trás! É hora de pedalar, Robinho!