1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Está tudo errado no Palmeiras, e o presidente não sabe mais o que faz no cargo

Robson Morelli

02 setembro 2014 | 14:10

Paulo Nobre demite treinador após três meses de trabalho e recoloca o time na estaca zero

A demissão do técnico Ricardo Gareca depois de três meses no comando do Palmeiras mostra que o presidente Paulo Nobre está perdidinho. Independentemente dos resultados ruins do treinador argentino, nada justifica a troca tão cedo. Melhor. Há uma justificatica sim: está tudo errado no clube e, como sempre, não há planejamento.

O planejamento no futebol do Palmeiras depende dos resultados em campo. Não é muito diferente dos outros clubes, diga-se. Ocorre que o Palmeiras, como essa diretoria, pregava mudanças no futebol, sobretudo quando Nobre começou a falar em produtividade dentro do elenco. O que se vê nesse momento, no entanto, é uma presidência sem rumo, deixando-se influenciar pelo que ouve de coleguinhas nos mais diversos setores da sociedade.

E vou logo avisando que o treinador escolhido terá o mesmo fim de Gareca se não ganhar suas partidas. Não discuto aqui a competência de Gareca ou de quem vir para ocupar seu lugar. Discuto a falta de perpectiva dos homens que comandam o clube, da visão míope e, portanto, viciada de liderar o futebol, do tradicional imediatismo. A falta de coragem e a eterna mesmice reinam, como se a troca, por si só, fosse alterar o cenário num passe de mágica e fazer jogadores pernas de pau acertarem um passe ou um drible. Esse comportamento, mostrou-nos a Alemanha, é pequeno e ultrapassado no futebol.

Digo isso porque sem planejamento, coragem, apostas e tudo mais que o futebol brasileiro precisa, vamos continuar sambando na mesma nota, sem avançar ou mudar. Serão mais 100 anos provando do mesmo sabor, que ultimamente tem sido pra lá de amargo.