Santos volta a falar em Robinho, do Atlético-MG, para a próxima temporada

Santos volta a falar em Robinho, do Atlético-MG, para a próxima temporada

Presidente Modesto Roma Jr. usa o possível retorno do atacante para esquentar sua candidatura na Vila

Robson Morelli

04 Outubro 2017 | 16h14

Mais uma vez o nome do atacante Robinho volta a ser comentado na Vila Belmiro. Toda reformulação no elenco do Santos passa pelo jogador, ou pelo seu retorno ao clube onde cresceu e ganhou títulos. Desta vez, o presidente Modesto Roma Jr, que lança sua candidatura oficial para mais um período à frente do time da Baixada neste sábado, com uma revisão de suas contas, aposta na possibilidade de ver o atacante com a camisa do time em 2018.

Robinho, do Atlético-MG  Foto: THOMAS SANTOS/ESTADÃO CONTEÚDO

O Santos estaria disposto a pagar R$ 300 mil por mês – metade do que Robinho ganha no Atlético-MG. Não é pouco dinheiro. Está também no teto do que o clube da Vila pode pagar sem precisar recorrer a parceiros. É fato ainda que o Santos atrasa alguns pagamentos e vem quitando suas pendências em momentos cruciais da temporada. Foi assim às vésperas do clássico com o Palmeiras, em São Paulo, vencido pelo time da Vila por 1 a 0, com gol de Ricardo Oliveira.

Há dois entendimentos sobre o eterno desejo em Robinho. O primeiro deles passa pela necessidade de reforçar o ataque santista. O grupo de Levir Culpi tem alguns bons homens de frente, mas que Robinho poderia colocar todos eles no bolso. A negociação bem tramada, poderia até ser mais econômica para o Santos, desde que ele se desfizesse de alguns jogadores medianos. Para ter três atacante médios é melhor ter um atacante bom. É o caso de Robinho.

O outro diz respeito à porta que Robinho sempre deixou aberta na Vila. Talvez seu armário até esteja lá, intacto, pronto para sua volta, agora, na próxima temporada ou em fim de carreira, naquela última volta do ponteiro. Mas Robinho, apesar da experiência e de suas andanças, com participação em Copa do Mundo, não tem correspondido como se esperava dele. Faz algumas partidas interessantes em Minas para logo em seguida desaparecer. Não tem sido aquele cara que esperava, definidor, que carregaria o Atlético nas costas. Talvez tenha perdido um pouco dessa visão, de quem ele é para o futebol brasileiro. Se o Santos também pudesse resgatar isso, seria bom para todos.