Tite tem um bom time, um banco razoável e pouca experiência em torneios internacionais

Esqueçam tudo o que aconteceu com o Brasil nas Eliminatórias. Copa do Mundo é diferente de tudo. Mas a seleção é uma das favoritas

Robson Morelli

14 Maio 2018 | 16h47

Tite manteve sua coerência na lista dos 23 convocados para disputar a Copa do Mundo. De todos, somente Fagner ou Danilo pudesse estar fora não fosse a lesão do titular Daniel Alves às vésperas do chamamento. O treinador não inventou, tampouco buscou nomes diferentes ou um possível atleta que estive no famoso “bom momento”. O que o treinador do Brasil apresentou foi uma lista que resultou em seu trabalho de monitoramento e acompanhamento dos jogadores que estavam no radar da comissão.

WILTON JUNIOR/ESTADÃO

Tite tem a confiança da maioria dos torcedores. Portanto, quando ele chama um questionável Tison, no meu entender, ele tem indiretamente a confiança do torcedor, que acredita no seu trabalho. Tudo isso é importante. O brasileiro precisa se acostumar também que não há mais craques no Brasil, a não ser Neymar. Há bons e até ótimos jogadores, mas craque, na concepção da palavra, só há um.

Tite tem convicção de sua lista é perfeita. Penso que o Brasil tem um time forte, 11 jogadores, com condições de brigar pelo título, talvez ao lado de França e Argentina, uma Alemanha, quem sabe. O problema das convocações passadas é que o banco do Brasil não ajudava muito a mudar os rumos de uma partida. Quando a Holanda vencia o Brasil em 2010, na África do Sul, Dunga não tinha quem mandar a campo para mudar aquela história. O mesmo talvez tenha acontecido com Felipão diante da Alemanha no Mineirão.

Por fim, Tite precisa ganhar experiência e sentir o que é uma Copa do Mundo. Sua comissão técnica não tem isso, nunca viveu isso e terá de aprender na prática. Há no ar uma certa necessidade de o Brasil responder na Rússia pelo fracasso que foi no Mundial de 2014. Tenho dúvidas se isso é realmente necessário. Tite não pode responder pelo que não fez, embora tenha sentido como todos os outros brasileiros. Os próprios jogadores que estiveram na Copa passada precisam olhar para frente e deixar o passado onde ele está. O Brasil de 2018 não joga pelo Brasil de 2014.

OS 23 CONVOCADOS

Goleiros: Alisson, Ederson e Cassio

Laterais: Fagner, Danilo, Marcelo e Filipe Luis.

Zagueiros: Thiago Silva, Miranda, Marquinhos e Geromel.

Meio-campistas: Casemiro, Fernandinho, Paulinho, Fred, Renato Augusto, Philippe Coutinho, Willian.

Atacantes: Gabriel Jesus, Roberto Firmino, Douglas Costa, Taison e Neymar.