Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes » Derrota histórica da seleção provoca reações diferentes em torcedores

Esportes

Derrota histórica da seleção provoca reações diferentes em torcedores

Esportes

Derrota histórica da seleção provoca reações diferentes em torcedores

São poucos os brasileiros chorando ou visivelmente tristes na Savassi; festa continua

Seleção Universitária

08 Julho 2014 | 19h54

São poucos os brasileiros chorando ou visivelmente tristes na Savassi; festa continua

Em BH, derrota enterrou o sonho do hexa, mas não a festa da Savassi (Gabriel Gama/Seleção Universitária)

 

Gabriel Gama – especial para O Estado de S. Paulo

BELO HORIZONTE – A derrota enterrou o sonho do hexa, mas não a festa da Savassi, que continua intensa mesmo depois do resultado. Quando os gols alemães começaram a acontecer no primeiro tempo e a goleada foi se desenhando, o semblante dos milhares de torcedores que lotaram as ruas da região foi de espanto. Porém, o que se viu minutos depois e ao fim do jogo foi bem diferente. Quem se decepcionou mesmo, saiu no intervalo de jogo e aos prantos. Mas a maioria presente no momento parecia pouco se importar com o resultado. Meia hora depois do fim da partida, bares continuam lotados e com muita música.

As reações dos torcedores são distintas. O estudante Estevão Garbocci, 18, não está surpreso com a pouca quantidade de pessoas chorando ou sérias. “Se todos aqui viessem pelo patriotismo, teríamos gente chorando nas ruas”, afirmou.

Garbocci e quatro amigos ainda gozaram com a seleção brasileira quando a seleção alemã marcou o sétimo gol. “Quem vai apoiar um país que deu as costas para a educação e saúde em prol de um evento milionário?”, desabafou o estudante.

Alguns não pareciam estar preocupados com o resultado e a consequência dele. Este é o caso de João Pedro Silva, 23, amigo de Garbocci. “Está todo mundo aqui por causa é do feriado. O jogo sempre ficou em segundo plano, por isso que não vimos tanta tristeza”, revelou.

Divergência. Apoiado na grade de um dos bares da rua Antônio de Albuquerque, o torcedor Juan David estava inconformado e em lágrimas. Ele estava sozinha e esperava um grupo de amigos no local. Apesar do abatimento evidente, David minimizou a própria decepção. “Só estou triste. É passageiro. Existem coisas muito piores na vida”, desabafou.

Ao contrário de Garbocci, David ficou surpreso com a reação impassível da maioria dos torcedores. Para ele, o brasileiro está acostumado com a derrota. “Cai um viaduto ou o Brasil é eliminado, fica a indignação do momento, mas para a maioria pouco importa. O que interessa é a cerveja, as mulheres e a música da festa”, ironizou.