Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes

Esportes » Em São Paulo, brasileiro torce pela Argentina

Esportes

Em São Paulo, brasileiro torce pela Argentina

Esportes

Em São Paulo, brasileiro torce pela Argentina

Paulista que torce pela Argentina afirma que ainda pretende morar no país vizinho e se naturalizar argentino

Seleção Universitária

05 Julho 2014 | 16h46

Paulista que torce pela Argentina afirma que ainda pretende morar no país vizinho e se naturalizar argentino

Galvan Lima, 24, é brasileiro mas torce para a Argentina (Pedro Hallack/Seleção Universitária)

 

Pedro Hallack – especial para O Estado de S. Paulo

SÃO PAULO – A rivalidade entre Brasil e Argentina acirrou-se ainda mais com a Copa do Mundo em solo brasileiro. Músicas provocativas e confusões já ocorreram entre torcedores dos dois países. Mesmo assim, um brasileiro ficou contente com a vitória da Argentina sobre a Bélgica, por 1 a 0, na tarde deste sábado, 5. O alpinista Galvan Lima, de 24 anos, morador de Guarulhos, foi à Fan Fest de São Paulo não apenas com uma camisa e um boné da seleção argentina, mas também enrolado sobre uma bandeira do país, do qual é torcedor assumido.

Corintiano no Brasil e torcedor do Boca Juniors na Argentina, Galvan afirmou que o gosto pela seleção do país vizinho teve influência da passagem do argentino ‘Carlitos’ Tevez pelo Corinthians. O atacante, hoje na Juventus, da Itália, além de ser conhecido pela entrega em campo, foi o principal nome no título brasileiro conquistado pelo Alvinegro em 2005. Galvan também falou sobre a sua admiração pela seleção hermana. “O que me impressiona é a raça, a entrega”, explicou. “Com eles, não tem bola perdida.”

A torcida pela Argentina é tão grande que o paulista passou a torcer contra a seleção brasileira em virtude da rivalidade entre as equipes. Ele, que nunca visitou a Argentina, afirmou que ainda pretende se mudar para o país e se naturalizar como seu cidadão. Apesar disso, o alpinista disse não ter nada contra o Brasil enquanto país.

Galvan também falou sobre como o fato de torcer pelos hermanos o afeta. “No geral, é tranquilo. O que mais atrapalha é nos dias dos jogos, já que eu não posso torcer abertamente contra o Brasil e nem a favor da Argentina com a galera por perto”, contou. “Porém, a coisa fica um pouco mais complicada quando eu saio na rua com camisa e bandeira. Volta e meia me xingam.”

Rivalidade. As provocações entre brasileiros e argentinos já são um capítulo à parte na história desta Copa. Músicas já foram criadas pelos dois lados, com destaque para a argentina, que remete à vitória sobre o Brasil na Copa de 1990 – pelas oitavas de final – e diz que Maradona foi superior a Pelé. Os jogadores da seleção argentina, inclusive, foram filmados entoando esta canção no vestiário após a classificação contra a Suíça, dia 1º, na Arena Corinthians.