CORINTHIANS BUSCA ATLETAS PARA NOVO TIME DE RUGBY

brunoromano

17 Setembro 2012 | 17h59

A notícia dividiu os envolvidos com o rugby. De um lado, uma onda de otimismo, com a conquista de um novo espaço, mais visibilidade e consequente possibilidade de investimentos no esporte. Do outro, um nariz torcido: será que vale a pena misturar com o futebol? A resposta virá com o tempo, já que tudo vai depender de como este trabalho pioneiro no Corinthians for conduzido.

Dirigentes e ex-atletas do Rio Branco Rugby Club, de São Paulo, têm toda a razão em comemorar a nova oportunidade, com respaldo da estrutura de uma equipe profissional de futebol – que tem avançado em vários aspectos nos últimos anos. Eles encabeçam este início de projeto, que ainda está definindo pontos principais como locais de treinamentos (a princípio, no próprio Rio Branco) e planos para as categorias de base. Já é esperada uma peneira para interessados em defender o time principal no fim deste mês.

A proposta é jogar Sevens, modalidade reduzida do jogo tradicional – a escolhida para retornar à Olimpíada em 2016. “É uma paixão em todo o mundo, está crescendo no Brasil, e tenho certeza de que o corinthiano se identificará com o time desde o primeiro momento”, afirmou Fausto Bittar Filho, diretor de Esportes Terrestres do Sport Club Corinthians Paulista. Até lá, muita água vai rolar.


Outro personagem bastante ligado ao Corinthians, o ex-jogador Neto, apadrinhou o novo time e disse na apresentação que “o rugby exige personalidade, força, garra, respeito, sofrimento e acima de tudo superação. Tenho certeza que a torcida vai se apaixonar pelo esporte”.

Ele tem razão. O rugby é um esporte de massa em todos os lugares onde é popular. No entanto, o que se observa em jogos de clubes e seleções de rugby em todo mundo é um comportamento muito mais educado do que em jogos de futebol.

Esse será o desafio de Edson Taminato, que vai gerenciar todo o Projeto. Seus colegas de Rio Branco farão a parte mais prática, dentro e fora de campo. O treinador será Maurício Carli, que já dirigiu a seleção brasileira de Sevens. Jogadores que se destacaram na seleção, como Antônio Górios, Tonhão, e Sebastian Arietti, o Sebá, também estão confirmados no elenco.

Uma das grandes missões do sucesso da equipe, no entanto, está nas mãos do experiente Timothy Baines, ex-jogador da seleção nacional, treinador e “rugbier” na mais pura descrição do que é ter um estilo de vida baseado no esporte. Timmy será assistente técnico de Alto Rendimento, mas certamente vai participar das conversas do clube, quando o assunto for a manutenção do respeito e lealdade do rugby – em um ambiente de categorias de base do futebol já bastante contaminado por interesses comerciais.

“É uma conquista mútua, pois o Corinthians volta a praticar outras modalidades. Vou trabalhar para o espírito do rugby acontecer sem arrogância, ganância e troca de valores e favores. É um desafio que vai dar certo, com muita responsabilidade e criatividade”, diz, otimista, Timothy.

Um dos grandes sonhos da comissão técnica é ganhar visibilidade com a possibilidade de fazer um jogo no Estádio do Pacaembu. De propriedade da Prefeitura, o local é fortemente associado ao Corinthians – que deve entregar seu estádio no fim do ano que vem na zona leste de São Paulo.

“As metas iniciais serão a formação de atletas de alto rendimento e, logo na sequência, as bases. Nossa previsão de estreia é no Sevens Regional que devera iniciar em outubro”, completa Timothy. A equipe também pretende levar sua equipe adulta para o Lions Rugby Sevens, torneio mais tradicional da modalidade no Brasil, sempre realizado no mês de dezembro no São Paulo Athletic Club, o SPAC, clube que Timmy defendeu na maior parte da carreira de jogador e treinador.

Ainda formando estas equipes que entrarão em campo ainda neste ano, o Corinthians Rugby anunciou uma seletiva para o próximo dia 29 de Setembro, na Arena Paulista de Rugby, no Tatuapé. Os interessados devem entrar em contato pelo e-mail: sevens@corinthiansrugby.com.br.

Fotos: Divulgação
Fonte: Corinthians.com.br