ELITE DO RUGBY INGLÊS VAI DAR AULAS DE RUGBY NO BRASIL

brunoromano

10 Setembro 2012 | 15h15

Depois de fechar uma parceira inédita com os Crusaders da Nova Zelândia, desta vez o rugby brasileiro confirma a presença de treinadores da Premiership, a liga profissional da Inglaterra, no país. Se os neozelandeses vieram para cuidar do alto rendimento, os ingleses terão papel fundamental no desenvolvimento do esporte para crianças e adolescentes.

Tudo vai começar com um projeto de 10 meses, a ser realizado a partir união entre a Aviva Premiership, o British Council e o Serviço Social da Indústria de São Paulo (SESI-SP). Arquitetada pela Confederação Brasileira de Rugby (CBRu), a empreitada é ambiciosa: atingir 10 mil crianças, em 12 diferentes cidades do interior de São Paulo.

A notícia é muito bem recebida pela comunidade do rugby, por vários motivos. A principal conquista do TRY RUGBY, projeto que terá o mesmo nome deste blog, será levar o esporte para novos centros, como Matão, Itapetininga, Votorantim e Sumaré. Ele também abrirá a porta para treinadores e professores de educação física, que aprenderão sobre o esporte.

Não é ilusão pensar em uma nova série de festivais e torneios para crianças destas cidades em um futuro próximo. Como também não será incomum encontrar, no meio de tanta gente disposta a aprender, novos talentos, tanto dentro como fora de campo.

As principais preocupações na formação de novos jogadores de rugby (integridade física e aprendizado lúdico e de qualidade) já foram resolvidas antes mesmo do TRY RUGBY começar. A parceria com a Premiership garante que profissionais de alto nível passem o ensinamento para treinadores e crianças. Será um aprendizado de via direta, onde o Brasil terá a chance de beber direto da fonte criadora do esporte.

“No Brasil, temos programas similares executados por ONGs em comunidades carentes e em parte da rede paulistana pública escolar, mas nenhum desses programas conta com o nível de capacitação técnica e cultural de renomadas entidades inglesas”, afirmou Sami Arap Sobrinho, presidente da CBRu.

Sami lançou o projeto ao lado de Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) no início de setembro. “Por meio da democratização do acesso à prática esportiva, temos a oportunidade de revelar novos talentos contribuindo com o fortalecimento do esporte nacional e, com a melhoria da qualidade de vida das pessoas – uma das missões da indústria paulista”, declarou Skaf.

Não há dúvida de que o rugby será bem recebido no interior paulista. Algumas cidades contempladas já possuem equipes adultas e universitárias, mas sempre existiu uma dificuldade na região para desenvolver categorias de base. São Paulo é o maior centro de rugby do país e ainda é extremamente carente em estrutura de qualidade – algo que deve ser minimizado com o novo projeto.

Aliar rugby a educação de jovens é também uma ótima forma de introduzir um esporte ainda considerado “violento” em locais que não estão acostumados com a modalidade. “É uma honra o Brasil ter sido escolhido pela Aviva Premiership para a implementação de um programa tão importante. Educar os jovens através da prática de rugby é uma fórmula de sucesso mundo afora”, finalizou Arap.

PREMIERSHIP NO BRASIL

Parceria: Aviva Premiership, SESI-SP, British Council, CBRu

Duração inicial: 10 meses

Público: Crianças e adolescentes de 8 a 17 anos

Estimativa: 10 mil crianças atendidas

Unidades SESI escolhidas: Matão, Itapetininga, Rio Claro, São Carlos, Votorantim, Indaiatuba, Mogi Guaçu, Tatuí, Piracicaba, Araras, Campinas e Sumaré

Fotos: Luiz Pires/Fotojump