Mick Fanning e eu
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mick Fanning e eu

Ídolo australiano se despede das competições aos 36 anos, após 19 temporadas e 3 títulos mundiais

Thiago Blum

06 Abril 2018 | 19h47

Mick Fanning, tricampeão mundial: 2007, 2009 e 2013

A primeira vez que vi Mick Fanning ao vivo em ação foi em 2000, logo após a Olimpíada de Sydney.

Caminhava na areia, quando notei 3 garotos com revistas nas mãos, olhos vidrados no mar, comentando cada onda…. cada manobra.

Fiquei ali… na fissura de uma caída como aquelas dos finais de tarde em Guaecá. E foi fácil perceber que um daqueles 10 ou 15 loiros que disputavam as pequenas ondas de Manly Beach, era diferente.

Na saída do mar, antes de presentear os pequenos fãs com autógrafos, ouviu de um deles: “Você vai ser o nosso próximo campeão”. Retribuiu com um sorriso tímido e um breve “Thank you, mate”. Já tinha lido sobre ele, mas mesmo tarado pelo surfe, não o reconheci.

No ano anterior, Mark Occhilupo havia conquistado o mundial, quebrando uma seqüência de 5 títulos de Kelly Slater. Mas Occy era um veterano e os australianos já aguardavam por um novo ícone, um novo ídolo.

Bell’s 2001: primeira conquista no WCT, em uma de suas ondas preferidas

O ‘raio branco’ precisou só de mais alguns meses para me fazer arregalar os olhos para as suas linhas perfeitas. Como convidado, conquistou em Bell’s Beach, o primeiro troféu na elite. A primeira das quatro vezes que tocou o desejado sino da etapa mais tradicional do calendário. A primeira das 22 vitórias no WCT.

Dono de um dos estilos mais elogiados do circuito: 22 títulod do WCT

Nos ‘reencontramos’ na etapa brasileira de 2003. Um setembro que aconteceu de tudo em Santa Catarina. Falta de energia que deixou Florianópolis alguns dias às escuras. Evento móvel com baterias divididas entre a capital, Garopaba e Imbituba. E até um pequeno incêndio no hotel dos atletas estrangeiros.

O havaiano Andy Irons rumava para o terceiro título mundial consecutivo. Apesar de não ser protagonista, Fanning foi disparado o dono do evento. Só terminou como vice porque os juízes preferiram dar a taça para Kelly Slater, que já ensaiava recuperar o posto de maior de todos os tempos.

Mas o melhor daqueles dias foi a conversa longa às margens da Lagoa da Conceição. Ao lado da repórter Vivian Mesquita e dos cinegrafistas Marcelo dos Santos e Cleyton Russo, conheci melhor esse cara de fala mansa e olhar quase envergonhado.

Jeffreys Bay 2015: Fanning é atacado por um tubarão durante a final

Se alguém me dissesse ali que ele seria capaz de sair literalmente ‘na mão’ com um tubarão branco, apostaria o contrário. Mas a luta pela vida, transmitida ao vivo durante uma final na África do Sul em 2015, foi só mais uma prova da força e grandeza de um guerreiro que não conquistou o tri mundial por acaso.

Encaixado em Peniche: estilo e precisão em todos os tipos de onda

Nunca mais o encontrei pessoalmente. Mas não deixei de persegui-lo.

Talento e dedicação. Sempre o primeiro na água para as sessões de treinos na área dos campeonatos.

E no final de 2007… pronto… profecia do garoto de Manly Beach realizada: o troféu estava de volta para a terra do surfe. Fanning: o novo campeão australiano. Conquista que se repetiu em 2009 e 2013. Virou ídolo e referência. Admirado, respeitado e imitado.

E no seu país, só ficou atrás da lenda Mark Richards.

Abraço em Ítalo Ferreira: despedida com o vice onde venceu pela 1ª vez no WCT

2018 começou e ele anunciou que havia chegado a hora de se despedir das competições. E não por acaso, escolheu Bell’s Beach para a aposentadoria.

O templo ‘aussie’ estava pronto para a festa perfeita, e Fanning não decepcionou. Chegou na decisão… e o filme terminou feliz sim, mesmo com o segundo lugar. Se toda a Austrália lamentou… o camisa 7 celebrou.

Com a magia do campeão que é, deixou a grandiosa conquista do brasileiro Ítalo Ferreira ainda mais especial e inesquecível.

Thank you, mate!!!!!!

E a cada 13 de junho, celebramos juntos a diferença exata de 10 anos de diferença. Estou ficando velho, você ainda não!!

O mundo que nos aguarde: tem muita onda boa escondida por aí!!!! #cheersMick