Darron Cummings/AP
Darron Cummings/AP

Bird confirma saída da presidência do Pacers para 'fazer coisas fora do basquete'

Ídolo do Boston Celtics como jogador nega estar com qualquer problema de saúde para se afastar do esporte

Estadao Conteudo

01 Maio 2017 | 13h10

Um dos maiores jogadores da história da NBA, Larry Bird confirmou nesta segunda-feira a saída da presidência do Indiana Pacers. O ídolo do Boston Celtics já havia definido a renúncia na semana passada, mas somente agora a oficializou e explicou os motivos que o levaram a tomar esta decisão, acabando com rumores da imprensa norte-americana, inclusive em relação à sua saúde.

"Senti que era momento de deixar o trabalho em tempo integral. Isso não tem nada a ver com minha saúde ou com nosso time. Estou com 60 anos e quero fazer outras coisas fora do basquete. Vou fazer trabalho de coleta de dados pelo Pacers, a NBA, universidades e diretoria. Amo o Pacers, cresci com o Pacers e admiro o time desde jovem. Quero agradecer os fãs pelo apoio ao longo de minha carreira", declarou em entrevista coletiva.

A saída de Bird aconteceu após a queda na primeira rodada dos playoffs da Conferência Leste para o Cleveland Cavaliers, por 4 a 0. Apesar de ter dificultado a vida do favorito Cavaliers em algumas partidas da série, o Pacers não conseguiu vencer sequer um jogo diante de LeBron James e seus companheiros. Esta, aliás, foi a sexta vez nas últimas sete temporadas que o time classificou aos playoffs mas acabou eliminado sem sequer figurar nas finais da NBA.

Bird deixa o Pacers no momento em que a franquia terá que lidar com uma tarefa complicada, ao definir o futuro do astro Paul George. O jogador ficará livre de contrato ao fim da próxima temporada e não escondeu o descontentamento com a direção da franquia nos últimos meses. Ele, inclusive, já teria manifestado o sonho de vestir a camisa do Los Angeles Lakers.

A trajetória de Bird no Pacers começou na temporada 1997/1998, como técnico, função que ocupou até 2000. Em 2003, retornou a franquia como presidente das operações de basquete, renunciou ao cargo em 2012, mas retornou somente um ano depois, interrompendo esta nova passagem apenas nesta sexta-feira.

Com a oficialização da saída do ex-jogador, o diretor geral do Pacers, Kevin Pritchard assumirá seu cargo. Bird, por sua vez, seguirá ligado à franquia, mas somente em funções de aconselhamento.

Se como dirigente a trajetória de Bird está ligada ao Pacers, como jogador ele se tornou ídolo do Boston Celtics. Ele vestiu a camisa da equipe durante toda sua carreira profissional, por 13 anos, e conquistou três títulos (1980/1981, 1983/1984 e 1985/1986), além de ter sido MVP (jogador mais valioso) também em três oportunidades (de 1983/1984 a 1985/1986).

Mais conteúdo sobre:
basquete Larry Bird Indiana Pacers

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.