Fla, de Oscar e Felipe, bate Mogi

Felipe jogou apenas 1min46 no primeiro tempo ? pegou um rebote e errou a única tentativa de arremesso da linha dos 3 pontos. Mas a 1min07 do fim do jogo, levou o pai às lágrimas. Oscar, o ?Mão Santa?, que estava descansando, entrou em quadra com Felipe, que viu o jogo do banco. Protegido por um corta-luz de Oscar e Janjão, Felipe foi audacioso ao arriscar outra bola da linha dos 3, dessa vez, com muita precisão. Ainda marcou mais 2 pontos antes do fim da partida. O pai jogou 38min42 e, com 35 pontos, foi o cestinha na vitória do Flamengo sobre o Mogi por 108 a 87 (41 a 46). Felipe jogou 2min53 e marcou 5 pontos. ?Que emoção?, disse Oscar, chorando. ?É muito nervosismo, muita pressão em cima dele, ainda mais com o pai do lado. O Felipe entrou nervoso, arremessou e não deu nem aro. Disse a ele para não arriscar, só passar e segurar a bola. Mas ele mostrou que tem caráter.? Felipe disse que arremessou ?porque estava livre?. Para Oscar, o filho pode ser um bom jogador de basquete. ?Se vai ser uma estrela, não sei. Só peço que treine muito e estude.? O Flamengo disputa posições no Campeonato Nacional, mas favoreceu o encontro entre pai e filho em um jogo oficial para satisfazer um desejo de Oscar, que se despede das quadras nesta temporada, após 31 anos de carreira. Felipe, que nasceu em Pavia, na Itália ? Oscar jogou na Europa por 13 anos ?, completou 16 anos em 25 de fevereiro, estuda e joga na Admiral Farragut Academy, na Flórida, e não tem entrosamento com o time do Flamengo. Antes de hoje, pai e filho, já haviam jogado juntos, mas apenas em ?peladinhas? de família, como afirma Oscar. ?Era o time da família Schmidt: eu, ele, e meus irmãos, Tadeu e Felipe.? Felipe vestirá a camisa 41 do Flamengo ? o 14 do pai, invertido ? em mais três jogos do Nacional, todos no Rio. Na segunda rodada do returno, a equipe enfrenta o Automóvel Clube, domingo, em Campos, às 11 horas. O terceiro jogo será na quarta-feira, um clássico entre Flamengo e Fluminense, e, o quarto, na sexta-feira, contra o Tilibra/Copimax, de Bauru. Sobre a aposentadoria de Oscar, aos 44 anos, Felipe responde como fã do pai. ?Ele decidiu isso, foi uma atitude pensada, bem pensada, mas sei que não está preparado para esse adeus. Para mim, vai ser uma tristeza...?

Agencia Estado,

28 Março 2002 | 23h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.