Goteiras roubam a cena e assustam equipes no Ibirapuera

As goteiras que caíram da cúpula do teto do Ginásio do Ibirapuera roubaram a cena nesta quarta-feira, na vitória da Rússia contra a Espanha, na partida de abertura das quartas-de-final do Mundial Feminino de Basquete. Embora um funcionário do Ibirapuera tenha subido no teto, na véspera, para tapar alguns buracos, as goteiras continuaram a cair na quadra, para desespero dos voluntários enxugadores e das jogadoras. O chão molhado provocou o escorregão e a queda de Eva Montesdeoca, da Espanha (que saiu com o supercílio aberto), e das russas Svetlana Abrosimova e Tatiana Shchegoleva, que bateu a cabeça na quadra, sob o garrafão. No jogo do Brasil, a ala checa Machova também escorregou numa disputa de rebote. ?Isso é horrível. Todo mundo caiu, e esse tipo de coisa poderia ter provocado contusões em alguém?, criticou Vovopynova. ?Um Mundial não deve ser jogado em um local com esse problema. É perigoso para as jogadoras e pode influenciar no resultado do jogo. Basquete não é futebol, não podemos jogar com chuva?, comentou o técnico russo Igor Grudin, que, no entanto, não pretende apresentar nenhum protesto formal para a organização.

Agencia Estado,

20 Setembro 2006 | 16h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.