Sergio Domingues/Divulgação
Sergio Domingues/Divulgação

No Paulistano, Georginho deixa de ser menino para virar adulto

Armador admite que passou a ser cobrado e tomou gosto pelo papel de protagonista

Marcius Azevedo , O Estado de S.Paulo

27 Maio 2017 | 07h00

De pouco aproveitado ao papel de protagonista. A carreira de Georginho de Paula mudou completamente em um ano. A decisão de trocar o Pinheiros pelo rival Paulistano fez o armador ganhar minutos em quadra e, em momentos decisivos na temporada, comprovar que estava pronto para liderar uma equipe.

"Se minha saída do Pinheiros foi conturbada precisou ser assim para eu acordar um pouco pra vida", afirmou o jogador de 20 anos. "Deixaram de passar a mão na minha cabeça e dizer que eu era só um moleque. Quando cheguei na casa dos 20 anos também percebi que não era um garoto, que eu tinha responsabilidade de um adulto", completou. 

Com médias de 11,3 pontos, 4,3 assistências e 4,2 rebotes, o armador terá a dura missão de liderar o Paulistano na final do NBB contra Bauru. A primeira partida será em São Paulo, mas depois o time da capital terá de atuar no interior. Georginho não parece preocupado.  

"Será mais um jogo de playoff com torcida contra, como foi com o Cearense, Franca, Vitória... A nossa equipe está acostumada com isso. Tudo vai ser decidido dentro de quadra. A torcida não vai influenciar e não estamos preocupados com isso", avisou.

O discurso confiante do jogador faz parte da transformação. O armador aprendeu na marra ao ser cobrado pelo técnico Gustavo de Conti. Gustavinho admite que contratar Georginho foi uma aposta arriscada no começo da temporada.

"Era uma dúvida. A minha pergunta para o agente dele foi: o Georginho consegue armar o jogo e passar o meio da quadra se ele for pressionado por um jogador que defende muito? A resposta foi que sim e fechamos o acordo", relembra.

"Eu sabia do potencial dele, mas também tinha o (Arthur) Pecos (outro armador) aqui. Pesamos o risco e decidimos que valia. Quando ele chegou aqui deu para ver o potencial, são poucos no Brasil como ele. Ele também tem uma personalidade bacana, escuta bastante, tenta fazer o que você está falando. Isso conjugou para ele ter esse crescimento", elogiou.

Georginho gostou de receber esta responsabilidade. "Aprendi com os jogos que tive de decidir, quando o time precisava que eu estivesse focado em momentos decisivos, porque o jogo estava fluindo para mim. Recebi muita confia da comissão técnica para decidir", disse. "Fui me encaixando neste papel de protagonista e percebi que estava passando de menino para adulto."

Focado nas finais do NBB, o armador pode se despedir do basquete brasileiro em breve. Georginho é um dos jogadores inscritos na próxima edição do draft da NBA, que acontece no dia 22 de junho. Por enquanto, ele só está pensando no Bauru.     

Mais conteúdo sobre:
Basquete Paulistano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.