1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Técnico do basquete diz que não terá retaliação para 'desertoras'

- Atualizado: 05 Janeiro 2016 | 20h 46

Antonio Carlos Barbosa, da seleção feminina, entende a dificuldade de se quebrar o boicote dos clubes, mas lembra que a fila anda

O técnico Antonio Carlos Barbosa, da seleção brasileira feminina de basquete, já está sem São Paulo para comandar o grupo de atletas visando ao evento-teste da modalidade para os Jogos Olímpicos do Rio. Sem poder contar com a força máxima, pois sete atletas pediram dispensa em cima da hora, ele garante que não vai haver retaliação, mas lembra que a fila anda.

"Temos de separar bem as coisas. Quem gerou o problema foram os clubes, que tinham reivindicações e levaram a esse caso extremo. Elas são jogadoras dos clubes, têm contrato, e da minha parte não vai ter represália. Mas claro que tem os dois lados. Tem menina que estava fora da seleção e está de volta. Pode ganhar espaço, e quem não veio sabe que talvez tenha de disputar lugar", diz.

O grupo, formado por muitas caras novas, vai contar ainda com mais uma convocada sub-19 e após uma reunião com a comissão técnica nesta quarta-feira, mais uma jogadora, que disputa a segunda divisão, deve ser chamada para compor o elenco que vai enfrentar Austrália, Argentina e Venezuela no evento-teste na Arena Carioca 1, no Rio. Os treinamentos iniciais serão no Esporte Clube Sírio, em São Paulo, e no dia 12 a delegação vai para o Rio.

Barbosa assume o lugar de Zanon na seleção brasileira feminina de basquete

Barbosa assume o lugar de Zanon na seleção brasileira feminina de basquete

Barbosa se considera um otimista por natureza e lembra que a situação complicada não vai prejudicar a equipe nos Jogos Olímpicos. "Não fico preocupado porque o Campeonato Brasileiro acaba em abril e acho que até lá a poeira já baixou. O maior prejudicado é o basquete, depois os clubes, a entidade e as jogadoras. Essa reflexão vai levar todos a buscar pelo melhor caminho e acredito que ninguém vai ser insano de não querer disputar uma Olimpíada."

Entre as atletas que pediram dispensa estão Adrianinha Moisés, Tainá Paixão e Tatiane Nascimento (América de Recife), Gilmara Justino e Joice Rodrigues (Corinthians Americana) e Jaqueline Silvestre e Tássia Carcavalli (Basketball Santo André). Todas elas enviaram cartas à Confederação Brasileira de Basquete (CBB) alegando "motivos pessoais", "particulares" ou que "fogem do controle", sem entrar em detalhes, para não jogar pela seleção.

As razões, porém, têm ligação direta com o boicote proposto pelos clubes das jogadoras. Corinthians/Americana, Santo André, Presidente Venceslau, Maranhão Basquete, Sampaio Correa e América-PE já vinham mostrando descontentamento com a entidade e pedindo maior participação das agremiações na seleção feminina. Dos seis, o único clube que cedeu jogadoras à seleção foi o Sampaio Corrêa.

O momento é conturbado, mas Barbosa acha que ainda dá tempo de o Brasil fazer um bom papel nos Jogos Olímpicos do Rio. Ele espera que suas principais atletas não deixem a seleção na mão. "Eu confio na equipe. Sou um técnico que costuma valorizar muito quem está comigo. Com grupo completo, podemos surpreender na Olimpíada", conclui.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX