Vitória na estréia anima o Brasil

O Brasil estreou com vitória no 14º Campeonato Mundial Masculino de Basquete, no RCA Dome de Indianápolis. Contra o Líbano, que disputa a competição pela primeira vez, a seleção brasileira dominou o jogo desta quinta-feira e ganhou por 102 a 73. Amanhã, a partida será contra a vice-campeã européia Turquia, a partir das 15h30 (horário de Brasília), com transmissão ao vivo da ESPN Brasil. Mais três jogos foram disputados nesta quinta-feira, na abertura do Mundial. Pelo grupo A, a Iugoslávia - considerada uma das favoritas ao título - derrotou Angola por 113 a 63 e a Espanha passou fácil pelo Canadá, ao fazer 85 a 54. Pela mesma chave do Brasil, Porto Rico surpreendeu a Turquia e ganhou por 78 a 75. Brasil e Turquia se enfrentaram duas vezes no mês passado, durante o Torneio de Istambul, e os brasileiros levaram a melhor nos dois confrontos: 85 a 78, na fase de classificação, e 69 a 65, na disputa da medalha de bronze. O ala Hydayet Turkoglu, de 23 anos e 2,03 m, que atua no Sacramento Kings da NBA, é o destaque da seleção turca. Na estréia, pelo grupo B do Mundial, a seleção brasileira só esteve atrás no marcador (10 a 11) a 3m54s do fim do primeiro quarto. A partir daí, dominou completamente o jogo. O ala Rogério foi o cestinha, com 23 pontos. O time do Brasil obteve 46,3% de eficiência nos arremessos de dois pontos, 46,7% nos arremessos da linha dos três pontos, 77,8% da linha de lance livre, conseguiu 28 assistências e 15 bolas roubadas. Pelo Líbano, o destaque foi o pivô Jospeh Vogel, com 17 pontos e 10 rebotes. "Fizemos uma excelente partida como equipe. Fico contente pelo que vi em quadra, embora ache que podemos melhorar", afirmou o técnico Hélio Rubens. Ele ainda disse que foi muito importante começar bem. "Isso dá mais confiança, já que a Turquia será um grande desafio. É ótima equipe. Além de contar com grandes jogadores, tem mais experiência internacional que o Brasil. Mas, apesar do nosso grupo ser menos experiente, o clima é de confiança e determinação." Homenagens - O ala Oscar Schmidt e os norte-americanos Larry Bird e Oscar Peterson foram homenageados antes da abertura do Mundial. Aos 42 anos, Oscar, o maior cestinha de todos os tempos em Jogos Olímpicos, relembrou a vitória do Brasil sobre os Estados Unidos, em Indianápolis, nos Jogos Pan-Americanos de 1987, em um ginásio onde hoje é um estacionamento.

Agencia Estado,

29 Agosto 2002 | 17h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.